Busca avançada
Ano de início
Entree

Fernando de Magalhães Papaterra Limongi

CV Lattes GoogleMyCitations ORCID


Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Professor Titular aposentado do DCP-USP e Professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, possui graduação em Ciencias Sociais pela Universidade de São Paulo (1982), mestrado em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (1988) e doutorado em Ciência Política - University of Chicago (1993). É pesquisador sênior do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e vice-coordenador do Núcleo de Estudos Comparados e Intencionais da USP (NECI/USP). Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Instituições Governamentais Específicas, dedicando-se principalmente aos seguintes temas: democracia, legislativo, regimes políticos, desenvolvimento e executivo. Ingressou como docente no DCP em 1986. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1B. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Pós-doutorado em Ciência Política no Cebrap com bolsa da FAPESP 
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 07/12/2019
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

SP Pesquisa - Como vota o brasileiro? - 1º Bloco

Publicado em 8 de agosto de 2015 - SP Pesquisa - Como vota o brasileiro? - 1º Bloco. Como os brasileiros formam suas preferências na hora de escolher seus governantes? O São Paulo Pesquisa foi até as maiores universidades brasileiras saber como os cientistas políticos estudam o comportamento do eleitor. Quais os fatores que interferem nas escolhas? O que chama a atenção dos pesquisadores no eleitor brasileiro? E por que estudar o comportamento eleitoral é importante para aperfeiçoar o sistema político? No programa, uma pesquisa em documentos do século XIX mostra uma abordagem diferente sobre como eram as eleições e como votavam os primeiros eleitores do Brasil, ainda no Período do Império.

SP Pesquisa - Como vota o brasileiro? - 2º Bloco

Publicado em 8 de agosto de 2015 - SP Pesquisa - Como vota o brasileiro? - 2º Bloco - Como os brasileiros formam suas preferências na hora de escolher seus governantes? O São Paulo Pesquisa foi até as maiores universidades brasileiras saber como os cientistas políticos estudam o comportamento do eleitor. Quais os fatores que interferem nas escolhas? O que chama a atenção dos pesquisadores no eleitor brasileiro? E por que estudar o comportamento eleitoral é importante para aperfeiçoar o sistema político? No programa, uma pesquisa em documentos do século XIX mostra uma abordagem diferente sobre como eram as eleições e como votavam os primeiros eleitores do Brasil, ainda no Período do Império.

Publicações resultantes de Auxílios e Bolsas sob responsabilidade do(a) pesquisador(a) (1)

(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)

DIEGO SANCHES CORRÊA. Cash Transfers and Mayoral Elections: The Case of Sao Paulo's Renda Mínima. Brazilian Political Science Review, v. 9, n. 2, p. 109-120, .

Publicações acadêmicas

(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

RICCI, Paolo. As relações de poder entre congresso e executivo no contexto dinâmico do decision-making brasileiro. 2001. 140f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

MEDEIROS, Danilo Buscatto. Organizando maiorias, agregando preferências: a Assembleia Nacional Constituinte de 1987-88. 2013. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

MACHADO, Andréa Junqueira. Os determinantes da atuação oposicionista em democracias: o caso brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

LUZ, Joyce Hellen. Política ministerial: as emendas individuais orçamentárias no presidencialismo de coalizão brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

IZUMI, Maurício Yoshida. Velhas questões, novos métodos: posições, agenda, ideologia e dinheiro na política brasileira. 2017. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

OLIVEIRA, Juliana de Souza. Governismo, cédula e voto: alternativas golpistas à crise política de 1954-1955. 2019. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

JUNIOR, Sergio Simoni. Flutuação do voto e sistema partidário: o caso de São Paulo. 2012. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

RICCI, Paolo. De onde vem nossas leis? Origem e conteúdo da legislação em perspectiva comparada. 2006. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

JUNIOR, Josué Lima Nobrega. Mudanças constitucionais e poderes presidenciais nos presidencialismos da América Latina (1945-2003). 2008. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: