Busca avançada
Ano de início
Entree

Marcos Silveira Buckeridge

CV Lattes ResearcherID ORCID Google Scholar Citations


Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências (IB)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Marcos Buckeridge foi Pesquisador Científico do Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo por 20 anos. Em 2006 se mudou para a USP, onde hoje é Professor Titular do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Foi Presidente da Associação dos Estudantes e Pesquisadores na Grã-Bretanha (1993 e 1994) e Presidente da Sociedade Botânica de São Paulo por dois mandatos (2001 à 2005). Entre 2015 e 2019 Buckeridge foi presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Em outubro de 2018 foi eleito Diretor do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. É membro do Instituto de Estudos Avançados da USP, onde criou e coordena o programa USP-Cidades Globais. O trabalho de Buckeridge já gerou 4 livros, 8 patentes, mais de 50 teses de mestrado e doutorado e mais de 180 publicações científicas em fisiologia, bioquímica e biologia molecular de plantas. Foi membro fundador do Programa BIOEN-FAPESP e de 2009 à 2012 foi diretor Científico do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) em Campinas. Desde 2008 Buckeridge é diretor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (INCT do Bioetanol). Seu grupo desvendou a estrutura química da parede celular da cana de açúcar e do miscanthus, duas das mais importantes gramíneas usadas para bioenergia. Seu trabalho sobre a parede celular vegetal o levou a propor a Teoria do Código Glicômico. Seus estudos sempre tiveram ênfase na investigação de plantas nativas de vários biomas brasileiros (Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga), de plantas cultivadas (cana, milho, soja, feijão, laranja e outras) e em ambiente urbano. Desvendou mecanismos fisiológicos e vias metabólicas relacioadas à sinalização dos carboidratos para o desenvolvimento vegetal. Seu trabalho hoje tem como enfoque principal a biologia de sistemas, principalmente com a aplicação da teoria de redes para compreender o funcionamento da planta como um todo. Realizou estudos pioneiros sobre como as plantas brasileiras respondem ao aumento de CO2 atmosférico e mais recentemente a combinações entre CO2, estresse hídrico e temperatura, elucidando mecanismos fundamentais das respostas de plantas às mudanças climáticas. Hoje desenvolve também pesquisas relacionadas às Ciências Urbanas Aplicadas, trabalhando principalmente no desenvolvimento de Políticas Públicas embasadas em conhecimento científico para aplicação no ambiente urbano. Em 2010, Buckeridge foi selecionado como um dos autores líderes do Fifth Assessment Report (AR5), publicado em 2014 pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Em 2017, se tornou o único cientista radicado no Brasil a participar como autor do Relatório Especial 1,5C Warming Word do IPCC, publicado em dezembro de 2018. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o(a) pesquisador(a):
Los árboles tropicales viven menos 
Árvores tropicais crescem mais rápido, mas duram pouco mais da metade do tempo de vida das temperadas 
Aliados inverosímiles 
Aliados improváveis 
Receita de celulose 
Entre azúcares y genes 
Entre açúcares e genes 
Matéria(s) publicada(s) no Pesquisa para Inovação FAPESP sobre o(a) pesquisador(a):
UrbanSus: Zoneamento Ecológico-Econômico de São Paulo 
The Future of the Humanities in the Digital Age 
Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 25/06/2022
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Açaí Acervo Açúcares Adaptação ambiental Agronomia Aminoácidos Análise de dados Anatomia Patológica e Patologia Clínica Anatomia vegetal Angiospermas Aquecimento global Aquisição de materiais Atividade enzimática Atmosfera enriquecida em CO2 Autopsia Bagaço de cana-de-açúcar Banco de dados Biblioteca universitária Bibliotecas Biocombustíveis Biodiversidade Bioenergia Bioetanol Biologia Geral Biologia Molecular Biologia computacional Biologia de sistemas Biologia molecular Biologia Biomassa lignocelulósica Bioquímica vegetal Bioquímica Biorrefinarias Biossíntese Botânica (classificação) Botânica Aplicada Botânica Cana-de-açúcar Captura e armazenamento de carbono Carboidratos Celulose Cerrado Ciclo do carbono Cidades Ciência e Tecnologia de Alimentos Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Saúde Clima Composição química Compostos fenólicos Conservação da biodiversidade Consumo de água Copaifera langsdorffii Crescimento celular Crescimento vegetal Crise hídrica Cristalização Cronobiologia Degradação Dendrocronologia Desenvolvimento Dicotiledôneas Dióxido de carbono Ecofisiologia vegetal Ecofisiologia Ecologia de Ecossistemas Ecologia Efeito estufa Emissão de gases Endosperma Enzimas hidrolíticas Enzimas Enzimologia Equipamentos e provisões Estômatos Estresse hídrico Etanol celulósico Etanol Eventos científicos e de divulgação Evolução vegetal Evolução Expressão gênica Fatores de transcrição Fenilpropanoide Filogenia Fisiologia Vegetal Fisiologia do crescimento e desenvolvimento Fisiologia Fotossíntese Fruto Galactomanana Gases do efeito estufa Germinação de sementes Glicosídeo hidrolases Hidrolases Hidrólise enzimática Hidrólise Homens Humanos Hymenaea Indicadores ambientais Indústria agrícola Infraestrutura institucional Infraestrutura Institutos de pesquisa Interdisciplinar Jatobá Jornalismo Laboratórios multiusuários Leguminosae Lignocelulose Livros Luz Mamão Manose Marcadores genéticos Mata Atlântica Materiais compósitos Medicina Metabolismo dos carboidratos Metabolismo vegetal Metabolismo Metaboloma Metabolômica Milho Morte celular programada Mudança climática Oligossacarídeos Palhas Parede celular vegetal Parede celular Pectinas Plantas nativas Plantas tropicais Plantas Polissacarídeos Políticas públicas Poluição atmosférica Poluição Proteínas Proteômica Pteridophyta Qualidade da água Química de Macromoléculas Recursos para a pesquisa Regulação da expressão gênica Reserva técnica Reuniões científicas Rudgea jasminoides Sacarificação Sacarose Samambaia São Paulo Saúde da população Sementes Sequestro de carbono Serviços de informação Serviços para usuários de bibliotecas Sesbania Sorghum Sorgo Sustentabilidade Taxonomia Vegetal Tecnologia de Alimentos Tomografia computadorizada Transcrição genética Transcriptoma Transdução de sinais Tremoço Uso do solo Xiloglucano Zoologia beta-Galactosidase
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

SP Pesquisa - Etanol - 2º Bloco


Publicado em 1 de ago de 2015 SP Pesquisa - Etanol - 2º Bloco - O último relatório do IPCC afirmou que na história da humanidade nunca houve tanto CO² na atmosfera. Grande parte dessas emissões é resultado da queima de combustíveis fósseis. O etanol - apesar de ter perdido força no Brasil por conta do Pré- Sal - ainda é a alternativa mais limpa e barata para a gasolina. Para cada tonelada de etanol combustível consumido, 2,3 toneladas de CO² deixam de ir para a atmosfera. Mesmo assim, é preciso tornar a plantação e a colheita mais produtivas, a produção do etanol mais rentável, e diminuir o impacto ambiental em todas as fases do processo. O SP Pesquisa acompanha os trabalhos do Programa de Pesquisa em Bioenergia - BIOEN. Criado em 2008 pela Fapesp, o programa financiou mais de 400 projetos e bolsas que abrangem todas as etapas e aspectos da produção do etanol

A saúde das árvores urbanas


Publicado em 25 de julho de 2017 - Pesquisa FAPESP. Pesquisadores falam da importância das áreas arborizadas em metrópoles como São Paulo e das novas estratégias para monitorá-las, como o software Arbio, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

Árvores revelam a evolução da poluição ambiental


Publicado em 13 de agosto de 2018 - Agência FAPESP. Pesquisadores da USP e da Unicamp constatam, por meio de análises químicas da tipuana, que diminuíram os níveis de poluição por alguns metais pesados na zona oeste da cidade de São Paulo.

Marcos Buckeridge fala sobre a sucuuba


Publicado em 25 de novembro de 2009 - Pesquisa FAPESP. Botânico da Universidade de São Paulo (USP) fala sobre a sucuuba, uma espécie de árvore que consegue sobreviver até cinco meses submersa pelas cheias dos rios da Amazônia. Adaptada à várzea, a planta acumula mais açúcares e gasta menos energia para não perecer quando se encontra coberta pelas águas.

Patente(s) depositada(s)

PROCESSO PARA AUMENTAR A DIGESTIBILIDADE DA PAREDE CELULAR DE UMA PLANTA, COMPOSIÇÃO PARA INIBIÇÃO DE ENZIMAS CONSTITUINTES DA VIA DOS FENILPROPANÓIDES E USO DE MODULADORES OU INIBIDORES QUÍMICOS PI1104756-9 - Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM); Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Universidade de São Paulo (USP). Wanderley Dantas dos Santos; Marcos Silveira Buckeridge - 14 de setembro de 2011

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: