Busca avançada
Ano de início
Entree

Marta Rosa Amoroso

CV Lattes GoogleMyCitations ORCID


Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Professora do Departamento de Antropologia da USP e Coordenadora Científica do Centro de Estudos Ameríndios, da Pró-Reitoria de Pesquisa CEstA/USP (www.usp.br/cesta). Realizou Mestrado em Antropologia Social pela UNICAMP (1988, bolsa FAPESP) e doutorado em Ciência Social (Antropologia Social) pela USP (1998, bolsa FAPESP). Realizou Pós-Doutorado no Centro de Estudos Brasileiros CEBRAP (2000-2005, bolsa FAPESP). Foi pesquisadora fundadora do Núcleo de História dos Índios e do Indigenismo (1986-2010) e do CEstA/USP (desde 2011). Foi vice-diretora do Instituto de Estudos Brasileiros IEB/USP (2006-2010). Foi professora visitante do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Portugal (ULisboa) em 2016. Participou da Missão CAPES-COFECUB no Centre National de la Recherche Scientifique CNRS (Paris, 2003). Orientou onze doutorados, nove mestrados e dezoito iniciações científicas. Tem experiência na área de antropologia, com ênfase em teoria antropológica e etnologia ameríndia, atuando principalmente nas linhas de pesquisa sobre territorialidades ameríndias, relações interespecíficas na Amazônia e história dos índios na América do Sul. É Bolsista Produtividade do CNPq desde 2016. É sócia efetiva da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e da Associação Portuguesa de Antropologia (APA). (Fonte: Currículo Lattes)

Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 28/11/2020
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

Ritual Ticuna de iniciação feminina mostra vitalidade da cultura indígena


Publicado em 13 de março de 2020 - Agência FAPESP. A despeito de todas as pressões da sociedade envolvente, o povo Ticuna preservou uma de suas cerimônias mais importantes, a Festa da Moça Nova. Estudo antropológico investigou em profundidade esse ritual. Um livro sobre esse tema, escrito pelo antropólogo Edson Matarezio Filho, foi publicado recentemente com apoio da FAPESP: “A Festa da Moça Nova: ritual de iniciação feminina dos índios Ticuna”.

Publicações acadêmicas

(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

LOBO, Rodrigo Gomes. Naturezas esfumaçadas: os Tembé e o mercado de crédito de carbono. Tese (Doutorado) -  Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.  Universidade de São Paulo (USP).  São Paulo.  (11/50120-7

LIMA, Leandro Mahalem de. Rios Vermelhos: perspectivas e posições de sujeito em torno da noção de \'cabano\' na Amazônia em meados de 1835. Dissertação (Mestrado) -  Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.  Universidade de São Paulo (USP).  São Paulo.  (04/11385-1

SILVA, Fabio de Oliveira Nogueira da. Elementos de etnografia Mbyá: lideranças e grupos familiares na aldeia Tekoá Pyaú (Jaraguá - São Paulo). Dissertação (Mestrado) -  Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.  Universidade de São Paulo (USP).  São Paulo.  (04/11350-3

SILVA, Verone Cristina da. Carnaval: alegria dos imortais. Ritual, pessoa e cosmologia entre os Chiquitano no Brasil. Tese (Doutorado) -  Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.  Universidade de São Paulo (USP).  São Paulo.  (11/06039-0

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: