Busca avançada
Ano de início
Entree

Emerson Franchini

CV Lattes ORCID


Universidade de São Paulo (USP). Escola de Educação Física e Esporte (EEFE)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

possuo graduação em Educação Física (1995) pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE-USP), participei do 9th Postgraduate Seminar in Olympic Studies (International Olympic Academy, Greece, 2001), possuo doutorado em Educação Física - Biodinâmica do Movimento Humano (2001) pela EEFE-USP e Livre-Docência pelo Departamento de Esporte (2009) da mesma instituição. Sou professor associado (MS-5) do Departamento de Esporte da EEFE-USP desde 2009, tendo sido aprovado para o nível 3 em 2013. Conduzi pós-doutoramento na Universidade de Montpellier (França) de janeiro de 2013 a janeiro de 2014 e no Australian Institute of Sport (Austrália) de dezembro de 2017 a dezembro de 2018. Tenho experiência na área de Educação Física e Esporte, com ênfase em lutas e modalidades de combate, em diferentes níveis de análise (histórico, pedagógico, fisiológico), embora tenha centrado especialmente nos aspectos fisiológicos, de avaliação e de prescrição de treinamento para atletas de judô. Tenho transferido os conhecimentos produzidos nessa área, atuando na preparação física de atletas de judô, com resultados positivos em competições de alto rendimento, como os Jogos Pan-Americanos (bronze de Alexandre Lee e prata de Leandro Guilheiro nos Jogos do Rio de Janeiro 2007; prata de Rafael Silva; ouro de Leandro Guilheiro e Tiago Camilo nos Jogos de Guadalajara 2011; ouro de Tiago Camilo nos Jogos de Toronto 2015), Campeonatos Mundiais (prata em 2010 e bronze em 2011 de Leandro Guilheiro e bronze em 2017 de Rafael Silva) e Jogos Olímpicos (medalhas de bronze de Leandro Guilheiro em Beijing 2008 e Rafael Silva em Londres 2012 e Rio 2016). Em 2012 concedi entrevista à Science sobre projeto de pesquisa envolvendo análise metabólica do judô, previamente publicado no Journal of Visualized Experiments. No mesmo ano, participei como membro da comissão técnica da seleção brasileira de judô durante o período de aclimatação e durante os Jogos Olímpicos de Londres, cujos resultados representaram o melhor desempenho do Brasil nesta modalidade na história dessa competição. Quanto às pesquisas conduzidas, tenho interagido com diversos investigadores brasileiros, bem como desenvolvido projetos e publicado com pesquisadores da Alemanha, Argélia, Austrália, Áustria, Canadá, Chile, Coreia do Sul, Croácia, Espanha, Estados Unidos da América, França, Hong Kong, Inglaterra, Itália, Polônia, Portugal, Qatar, República Tcheca, Sérvia, Tunísia e Turquia. Também tenho interesse em pesquisas cujos resultados possam ser transferidos para o Esporte. O impacto das pesquisas conduzidas com judô foi relatado por Peseto et al. (2013, http://files.4medicine.pl/download.php?cfs_id=1295), ao passo que a utilização dessas pesquisas por treinadores brasileiros foi reportado por Cavazani et al. (2013, http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/3679/2757). Em setembro 2016, o site Wizdom divulgou lista de pesquisadores com modalidades olímpicas, em que aparecia em terceiro lugar no geral, e primeiro na modalidade judô (https://blog.wizdom.ai/2016/08/19/announcing-olympics-research-medals-explore-leading-science-behind-olympic-sports/).Pesquisador mais produtivo no quadriênio 2013-2016 na área 21 da CAPES. Palestras conduzidas na Austrália, Brasil, Chile, Croácia, Espanha, Estados Unidos da América (com destaque para a participação no Combative Sports Interest Group do 66th ACSM's Annual Congress, 2019), França, Itália, Portugal, Rússia e Sérvia e trabalhos apresentados em mais de 25 países. Professor Honorário da Escola de Ciências da Atividade Física, do Esporte e da Saúde da Universidade de Santiago do Chile (2017) e professor convidado pela Universidade de León (Espanha, 2017). Consultor do International Centre for Martial Arts and Youth Development and Engagement da UNESCO a partir de nov/2019. Em 2021, passei a compor a lista dos 2% de pesquisadores com maior c-score em Sport Sciences (Baas et al., 2021), com manutenção em 2022. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 04/02/2023
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: