Busca avançada
Ano de início
Entree

Carlos Yujiro Shigue

CV Lattes GoogleMyCitations ResearcherID ORCID


Universidade de São Paulo (USP). Escola de Engenharia de Lorena (EEL)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Paulistano, criado no bairro do Ipiranga, frequentou escolas públicas desde os três anos de idade, começando pelo Parque Infantil Municipal D. Pedro I (jardim da infância e pré-escola), passando pelo Centro Educacional SESI nº 112 (1º e 2º anos), Grupo Escolar José Bonifácio (3º e 4º anos), Ginásio Estadual Júlio de Mesquita Filho (antigo ginasial, que ia do 5º ao 8º ano), Colégio Estadual Francisco de Assis Reys (1º e 2º ano do antigo colegial) e Instituto de Educação Estadual Alexandre de Gusmão (onde completou o colegial). Após fazer cursinho concomitantemente ao 3º ano colegial, fui aprovado em segunda opção no vestibular Fuvest para cursar a Faculdade de Engenharia de Campinas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Na época (1977), a Unicamp era uma jovem universidade fundada pelo Prof. Zeferino Vaz na segunda metade dos anos 1960. A opção pelo curso de Engenharia Química foi feita no final do primeiro ano de faculdade, a partir da classificação no vestibular (77º lugar). Cursei a graduação, sem nenhuma reprovação, em cinco anos concluindo o curso em dezembro de 1981. No início de 1982 mudei de área indo cursar o mestrado em Física da Matéria Condensada no Instituto de Física Gleb Wataghin da Unicamp. Lá trabalhei como bolsista Capes no Laboratório de Baixas Temperaturas e na Central Criogênica do Instituto sob orientação do Prof. Daltro Garcia Pinatti. Em 1984 fui pesquisador visitante no Electrotechnical Laboratory (ETL) em Tsukuba, Japão por meio do Acordo de Cooperação Brasil-Japão no Desenvolvimento de Aplicações Supercondutoras do Nióbio. Em 1985 mudei-me para Lorena a fim de trabalhar na implantação da central criogênica e dos laboratórios de pesquisa em supercondutividade no Centro de Materiais Refratários (CEMAR) da Fundação de Tecnologia Industrial (FTI). Desde 1978, uma equipe liderada pelo Prof. Pinatti, vinha implantando por meio do financiamento do Ministério da Indústria e Comércio do Governo Federal, o Projeto Nióbio, que visava a pesquisa tecnológica em escala piloto da produção e aplicação comercial do nióbio metálico e suas ligas. Em 1988, com o início do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Materiais (PPGEM), optei por matricular-me como aluno regular do curso de mestrado na primeira turma em 08 de Agosto de 1988. Vim a concluir o mestrado em 1993, quando já estava cursando o doutorado na Escola Politécnica da USP desde 1992. O doutorado em Engenharia Elétrica foi concluído em 1997 sob orientação do Prof. José Roberto Cardoso. Participei da criação do curso de graduação em Engenharia de Materiais em 1999, vindo a se tornar seu coordenador em 2005. Com a incorporação dos cursos de graduação e pós-graduação da Faenquil pela Universidade de São Paulo (USP) e consequente criação da Escola de Engenharia de Lorena (EEL) em 2006, manteve-se na Coordenação do Curso de Engenharia de Materiais e membro titular da Comissão de Graduação (CG) da EEL durante toda a fase de transição. Em 2011, participou como membro da CG responsável pela criação dos novos cursos de graduação da EEL: Engenharia Física, Engenharia Ambiental e Engenharia de Produção. Estes cursos foram iniciados em março de 2012 e durante o meu mandato de presidente da CG coordenei temporariamente o curso de Engenharia Física. Em 2013, participei da criação e implantação do curso de mestrado profissional do Programa de Pós-graduação em Projetos Educacionais de Ciências (PPGPE). Atualmente tenho me dedicado a este Programa de Pós-graduação, como orientador e membro da Comissão de Coordenação de Programa (CCP). Em função dessas atividades acadêmicas, venho realizando trabalhos de pesquisa, ensino, extensão e empreendedorismo buscando integrar sob o tema da inovação no ensino básico e superior a utilização de metodologias ativas de ensino-aprendizagem e de aprendizagem baseada em projetos, tanto em nível de pós-graduação quanto de graduação, por meio de parcerias com escolas de ensino fundamental e médio de Lorena e região. (Fonte: Currículo Lattes)

Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 22/02/2020
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: