Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Homocisteína e polimorfismos dos genes MTHFR e VEGF: impacto na doença arterial coronariana

Texto completo
Autor(es):
Alexandre Rodrigues Guerzoni ; Patrícia Matos Biselli ; Moacir Fernandes de Godoy ; Doroteia Rossi Silva Souza ; Renato Haddad ; Marcos Nogueira Eberlin ; Erika Cristina Pavarino-Bertelli ; Eny Maria Goloni-Bertollo
Número total de Autores: 8
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Arquivos Brasileiros de Cardiologia; v. 92, n. 4 apr. 2009.
Área do conhecimento: Ciências da Saúde - Medicina
Assunto(s):Arteriosclerose   Polimorfismo genético   Homocisteína
Resumo

Polimorfismos em genes relacionados ao desenvolvimento da aterosclerose, angiogênese e metabolismo da homocisteína (Hcy) podem ser fatores de risco para a doença arterial coronariana (DAC). Avaliar o efeito dos polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T na DAC e a associação desses polimorfismos com a gravidade e a extensão das lesões ateroscleróticas e concentrações de Hcy. 244 indivíduos foram avaliados através de angiografia coronariana e incluídos no estudo (145 com DAC e 99 indivíduos-controle). Os polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T foram investigados através das técnicas de PCR-SSCP e PCR-RFLP, respectivamente. Os níveis de homocisteína plasmática foram mensurados através de cromatografia líquida/espectrometria de massa seqüencial (CL/EMS). Não houve diferença significante em relação à distribuição de alelos e genótipos entre os grupos, para ambos os polimorfismos. A análise univariada mostrou uma freqüência maior do genótipo VEGF -2578AA no grupo com doença em três vasos (p=0,044). Além disso, o genótipo VEGF -2578CA foi observado mais freqüentemente entre indivíduos com <95% de estenose (p=0,010). Após ajuste para outros fatores de risco para DAC em um modelo multivariado, observou-se que o polimorfismo VEGF C-2578A não era um correlato independente da DAC (p=0,688). O polimorfismo MTHFR não mostrou qualquer relação com a extensão e/ou gravidade da DAC. O polimorfismo MTHFR C677T não mostrou uma associação direta com hiperhomocisteinemia ou aumento das concentrações médias de Hcy no plasma. Embora haja uma aparente associação entre o polimorfismo VEGF C-2578A e o desenvolvimento de aterosclerose coronariana, essa associação não é independente dos fatores de risco cardiovasculares convencionais. (AU)

Processo FAPESP: 03/13950-5 - Polimorfismo do gene metilenotetrahidrofolato redutase na doença arterial coronariana obstrutiva
Beneficiário:Carla Renata Graca
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo FAPESP: 02/07538-1 - Polimorfismo dos genes do fator de crescimento endotelial vascular e da enzima metilenotetrahidrofolato redutase na doença obstrutiva coronária
Beneficiário:Eny Maria Goloni Bertollo
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Regular