Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

O ozônio diminui a qualidade do sêmen em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico

Texto completo
Autor(es):
Juliana Farhat [1] ; Sylvia Costa Lima Farhat [2] ; Alfésio Luís Ferreira Braga ; Marcello Cocuzza [4] ; Eduardo Ferreira Borba [5] ; Eloisa Bonfá [6] ; Clovis Artur Silva
Número total de Autores: 7
Afiliação do(s) autor(es):
[1] Universidade de São Paulo. Faculty of Medicine,. Laboratory of Experimental Air Pollution - Brasil
[2] Universidade de São Paulo. Faculty of Medicine,. Laboratory of Experimental Air Pollution - Brasil
[4] Universidade de São Paulo. Faculty of Medicine. Division of Urology - Brasil
[5] Universidade de São Paulo. Faculty of Medicine. Division of Rheumatology - Brasil
[6] Universidade de São Paulo. Faculty of Medicine. Division of Rheumatology - Brasil
Número total de Afiliações: 7
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: REVISTA BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA; v. 56, n. 3, p. 212-219, 2016-06-00.
Resumo

Resumo Objetivo Investigar os efeitos deletérios da exposição aos poluentes do ar na Região Metropolitana de São Paulo sobre a qualidade do sêmen de pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES). Métodos Foi feito um estudo longitudinal de painel com medidas repetidas de sete anos no Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental e Reumatologia. Foram analisadas duas amostras de sêmen de 28 pacientes com LES pós‐púberes. Foram avaliadas as concentrações diárias de exposição aos poluentes do ar PM10, SO2, NO2, ozônio e CO e variáveis meteorológicas 90 dias antes de cada data de coleta de sêmen com o uso do método de equações de estimativas generalizadas. Resultados A ciclofosfamida intravenosa (CICIV) e o ozônio estiveram associados a uma diminuição na qualidade do sêmen dos pacientes com LES. A CICIV esteve associada a um decréscimo de 64,3 milhões de espermatozoides/mL (IC 95% 39,01‐89,65; p = 0,0001) e 149,14 milhões de espermatozoides/ejaculado (IC 95% 81,93‐216,38; p = 0,017). Em relação ao ozônio, os efeitos adversos mais relevantes foram observados entre os lags (intervalo de tempo) 80 e 88, quando a exposição a uma concentração média de ozônio um intervalo interquartil maior em nove dias móveis levou a um decréscimo de 22,9 milhões de espermatozoides/mL (IC 95% 5,8‐40; p = 0,009) e 70,5 milhões de espermatozoides/ejaculado (IC 95% 12,3‐128,7; p = 0,016). Uma análise mais aprofundada dos 17 pacientes que nunca usaram CICIV mostrou associação entre a exposição ao ozônio (80‐88 dias) e o decréscimo de 30 milhões de espermatozoides/mL (IC 95% 7‐53; p = 0,011) e 79 milhões de espermatozoides/ejaculado (IC 95% 2,1‐155,9; p = 0,044). Conclusão O ozônio e a CICIV tiveram um efeito adverso consistente sobre a qualidade do sêmen de pacientes com LES durante a espermatogênese. Deve‐se considerar a minimização da exposição à poluição do ar, especialmente para pacientes com doenças inflamatórias sistêmicas crônicas que vivem nas grandes cidades. (AU)

Processo FAPESP: 05/56482-7 - Avaliação da função gonadal em pacientes do sexo masculino com dermatomiosite e polimiosite
Beneficiário:Clovis Artur Almeida da Silva
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo FAPESP: 04/07832-2 - Avaliação da função gonadal em pacientes do sexo masculino com lúpus eritematoso sistêmico
Beneficiário:Clovis Artur Almeida da Silva
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo FAPESP: 08/58238-4 - Autoimunidade na criança: investigação das bases moleculares e celulares da autoimunidade de início precoce
Beneficiário:Magda Maria Sales Carneiro-Sampaio
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Temático