Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Laterization of epileptiform discharges in patients with epilepsy and precocious destructive brain insults

Título (Português): Lateralização de descargas epileptiformes em pacientes com epilepsia e lesões cerebrais destrutivas precoces
Texto completo
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Arquivos de Neuro-Psiquiatria; v. 62, n. 1, p. -, Mar. 2004.
Resumo

Unilateral destructive brain lesions of early development can result in compensatory thickening of the ipsilateral cranial vault. The aim of this study was to determine the frequency of these bone changes among patients with epilepsy and precocious destructive lesions, and whether a relationship exists between these changes and epileptiform discharges lateralization. Fifty-one patients had their ictal / interictal scalp EEG and skull thickness symmetry on MRI analyzed. Patients were divided into three main groups according to the topographic distribution of the lesion on the MRI: hemispheric (H) (n=9); main arterial territory (AT) (n=25); arterial borderzone (Bdz) (n=17). The EEG background activity was abnormal in 26 patients and were more frequent among patients of group H (p= 0.044). Thickening of the skull was more frequent among patients of group H (p= 0.004). Five patients (9.8%) showed discordant lateralization between epileptiform discharges and structural lesion (four of them with an abnormal background, and only two of them with skull changes). In one of these patients, ictal SPECT provided strong evidence for scalp EEG false lateralization. The findings suggest that compensatory skull thickening in patients with precocious destructive brain insults are more frequent among patients with unilateral and large lesions. However, EEG lateralization discordance among these patients seems to be more related to EEG background abnormalities and extent of cerebral damage than to skull changes. (AU)

Resumo

Lesões cerebrais destrutivas unilaterais ocorridas em fase precoce do desenvolvimento podem resultar em espessamento compensatório da calota craniana ipsilateral. O objetivo deste estudo foi determinar a freqüência destas alterações ósseas em pacientes com epilepsia e lesões destrutivas precoces e avaliar se há associação entre estas alterações e lateralização de descargas epileptiformes. Foram analisados EEGs interictais / ictais e espessura do crânio pela RM de 51 pacientes. Os pacientes foram divididos em três grupos de acordo com a distribuição topográfica da lesão à RM: hemisférico (H) (n=9); território arterial (AT) (n=25); fronteira arterial (Bdz) (n=17). A atividade de base no EEG foi anormal em 26 pacientes e foi mais freqüente entre os pacientes do grupo H (p=0,044). Espessamento unilateral da calota craniana foi mais freqüente entre os pacientes do grupo H (p=0,004). Cinco pacientes (9,8%) apresentaram discordância lateralizatória entre as descargas epileptiformes e lesão estrutural (quatro deles com atividade de base anormal, e apenas dois deles com espessamento da calota craniana). Em um destes pacientes, o SPECT ictal revelou forte evidência de falsa lateralização pelo EEG. Os achados sugerem que o espessamento compensatório da calota craniana é mais freqüente entre pacientes com lesões unilaterais e extensas. No entanto, a lateralização de descargas epileptiformes parece estar mais relacionada ao grau de alteração da atividade de base e extensão da lesão cerebral do que às alterações ósseas. (AU)

Processo FAPESP: 98/13101-8 - Epilepsia e insultos vasculares focais pré- e perinatais: características clínicas, eletrencefalográficas e de ressonância magnética
Beneficiário:Ricardo Afonso Teixeira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado