Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Associação entre espessura da pele e densidade óssea em mulheres adultas

Texto completo
Autor(es):
Patrícia de Paula Yoneda ; Sckarlet Ernandes Biancolin ; Matheus Souza Martins Gomes ; Hélio Amante Miot
Número total de Autores: 4
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: ANAIS BRASILEIROS DE DERMATOLOGIA; v. 86, n. 5, p. -, Out. 2011.
Resumo

FUNDAMENTOS: Osteoporose acomete principalmente mulheres em menopausa e idosos, predispondo a fraturas que geram morbidade, mortalidade e custos ao sistema de saúde. Como o colágeno dérmico diminui paralelamente à redução da massa óssea com o envelhecimento, a medida da espessura da pele pode ser indício do risco de osteoporose. OBJETIVOS: Avaliar a correlação entre densidade óssea e espessura da pele do dorso das mãos de mulheres adultas. MÉTODOS: Estudo transversal envolvendo mulheres adultas atendidas em ambulatório de hospital universitário submetidas à densitometria óssea, que foram avaliadas individualmente e mensurada, por paquímetro, a espessura da pele no dorso das mãos, além de investigados demais fatores de risco para osteoporose. RESULTADOS: Avaliaram-se 140 pacientes. A média (±dp) de idade foi de 57 (±11) anos; a média da espessura da pele do dorso das mãos foi de 1,4 (±0,4) mm. Houve correlação entre as medidas das mãos direita e esquerda (R=0,9; p<0,01). Observou-se correlação direta entre as espessuras de pele do dorso das mãos e as densidades ósseas lombares e femorais (p<0,01). Tais resultados permaneceram consistentes mesmo quando ajustados pelas covariáveis: idade, fototipo, índice de massa corpórea, tabagismo, uso de corticoide oral, uso de anti-inflamatório oral e tempo de menopausa. Osteoporose se associou inversamente com a espessura da pele das mãos (Odds Ratio=0,10; p<0,03). CONCLUSÃO: Espessura da pele correlacionou-se, independentemente, com a densidade óssea, sugerindo simultaneidade dos eventos. Sinais cutâneos podem contribuir para a estratificação de risco não invasiva desses pacientes, e colaborar na identificação e tratamentos precoces (AU)

Processo FAPESP: 08/54628-2 - Estudo da relação entre sinais de fragilidade cutânea e densidade óssea em mulheres adultas
Beneficiário:Patricia de Paula Yoneda
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Iniciação Científica