Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Doenças cardiometabólicas

Texto completo
Autor(es):
Sandra Roberta Gouvea Ferreira ; Alexandre Dias Porto Chiavegatto Filho ; Maria Lúcia Lebrão ; Yeda Aparecida de Oliveira Duarte ; Ruy Laurenti
Número total de Autores: 5
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Revista Brasileira de Epidemiologia; v. 21, p. -, 2018.
Resumo

RESUMO: Introdução: Doenças cardiometabólicas são prevalentes nas populações, estando entre as principais causas de morte. Objetivos: Este subestudo do Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (Sabe) descreve as prevalências autorreferidas de hipertensão, diabete mellitus (DM) e doença cardiovascular aterosclerótica (DCV) nas suas três ondas (2000, 2006 e 2010) e analisa a associação com fatores de risco selecionados. Métodos: Empregou-se regressão logística. Resultados: O predomínio de mulheres e a idade (68 anos) foram mantidos nas três ondas. No período, verificou-se tendência geral de aumento nas prevalências de hipertensão (53,1 a 66,7%), DM (16,7 a 25%) e DCV (23,0 a 27,2%) - estabilização da prevalência de DCV apenas de 2006 a 2010. Indivíduos do sexo feminino, com índice de massa corporal (IMC) > 27 kg/m2 e ex-fumantes tenderam consistentemente à maior probabilidade de hipertensão autorreferida ao longo das ondas. Apresentar IMC > 27 kg/m2 associou-se à maior probabilidade de referir DM nas três ondas, enquanto com ex-fumantes isso aconteceu apenas em 2010. Ter sido fumante também se associou à DCV nas ondas, mas não o excesso de peso. Averiguando-se pares de ondas para testar alterações nas prevalências, viu-se que em geral houve elevação significativa nos percentuais das doenças com o tempo. Conclusão: Em suma, DM, hipertensão e DCV autorreferidos ocorreram com elevadas prevalências nos participantes do Sabe em São Paulo. A associação de IMC elevado com doenças cardiometabólicas sugere que adiposidade corporal pode favorecê-las, embora esta análise não permita assegurar relação causa × efeito. É possível que o aumento dos percentuais de doentes da primeira para a terceira onda reflita melhora nas condições de diagnóstico e/ou no controle dessas doenças no período. (AU)

Processo FAPESP: 09/53778-3 - Estudo longitudinal sobre as condições de vida e saúde dos idosos do município de São Paulo - estudo SABE
Beneficiário:Maria Lúcia Lebrão
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Temático