Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Sobrevida de idosos e exposição à polifarmácia no município de São Paulo: Estudo SABE

Texto completo
Autor(es):
Nicolina Silvana Romano-Lieber ; Ligiana Pires Corona ; Liete Fatima Gouveia Marques ; Silvia Regina Secoli
Número total de Autores: 4
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Revista Brasileira de Epidemiologia; v. 21, p. -, 2018.
Resumo

RESUMO: Introdução: O uso de polifarmácia pode ser resultante da presença concomitante de condições crônicas, atendimento por diversos médicos e automedicação. Combinada com a vulnerabilidade de idosos aos efeitos dos medicamentos devido a alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas, a polifarmácia torna essa população mais suscetível a desfechos adversos. No Brasil, estudos mostram que a polifarmácia é um problema frequente entre idosos, mas faltam informações sobre sua associação com mortalidade. Objetivo: Avaliar a sobrevida de idosos do município de São Paulo expostos ao uso de polifarmácia (cinco ou mais medicamentos). Métodos: Trata-se de uma coorte de base populacional, o Estudo Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (Sabe), da qual se pesquisou o seguimento de 2006 a 2010. A amostra foi composta por 1.258 indivíduos com 60 anos ou mais. O método de Kaplan-Meier e o modelo de riscos proporcionais de Cox foram usados para examinar a associação entre mortalidade e polifarmácia. Resultados: A probabilidade de sobrevida após cinco anos dos indivíduos usuários de polifarmácia na linha de base foi de 77,2%, enquanto nos não usuários foi de 85,5%. Apolifarmácia permaneceu como fator de risco para óbito mesmo após ajuste de demais condições associadas à mortalidade, como idade, sexo, renda, doenças crônicas e internação hospitalar. Conclusão: Os resultados apontam para a polifarmácia como um preditor de mortalidade para pessoas idosas. O uso de múltiplos medicamentos por idosos deve ser cuidadosamente avaliado para evitar ou minimizar danos a essa população. (AU)

Processo FAPESP: 09/53778-3 - Estudo longitudinal sobre as condições de vida e saúde dos idosos do município de São Paulo - estudo SABE
Beneficiário:Maria Lúcia Lebrão
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo FAPESP: 05/54947-2 - Estudo SABE - 2005: saúde, bem-estar e envelhecimento: estudo longitudinal sobre as condições de vida e saúde dos idosos no município de São Paulo
Beneficiário:Ruy Laurenti
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Temático