Busca avançada
Ano de início
Entree


Análise do perfil das proteínas MAGE A3, P53, MDM2 e KAP - 1 na identificação de malignidade e na caracterização de lesões tiroidianas de padrão folicular = : Analysis of protein profile MAGE A3, P53, MDM2 and KAP-1 in malignancy identification and in the characterization of thyroid follicular lesions

Autor(es):
Mariana Bonjiorno Martins
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Membros da banca:
André Almeida Schenka; Hans Graf
Orientador: Laura Sterian Ward
Resumo

As lesões tiroidianas de padrão folicular constituem cerca de 30% das lesões de tiroide e são um grande problema clínico já que incluem condições benignas e malignas. Isso obriga aos pacientes que são candidatos potenciais a realizarem cirurgia, que se mostra desnecessária em 70% das citologias indeterminadas que, no exame histológico, revelam serem lesões benignas. Os antígenos de Câncer de Testículos possuem como membro MAGE A3, uma proteína especifica envolvida na regulação da apoptose e na progressão do ciclo celular. O gene TP53 é um supressor tumoral, sua proteína p53 possui uma participação fundamental no controle do ciclo celular, reparação do DNA e ativação da apoptose, e é responsável pela transcrição da MDM2, que inibe as funções transcritoras de p53 e produz retroalimentação negativa. A proteína KAP-1 pode atuar como uma co-repressora de p53 ao se ligar a MAGE A3 e a MDM2 e ele tem sido implicado em diversos processos celulares, tais como o desenvolvimento, diferenciação e transformação neoplásica. Objetivamos neste trabalho, analisar a expressão de MAGE A3, P53, MDM2 e KAP-1 como possíveis marcadores de diagnóstico e prognóstico para Câncer Diferenciado de Tiroide. Utilizamos imunoistoquímica para avaliar expressão das proteínas. Foram investigados 364 pacientes com nódulos de tiroide (tecidos malignos e benignos). A expressão de todas as proteínas identificou malignidade (p<0.0001) e também pode diferenciar algumas lesões de padrão folicular. A expressão proteica de MAGE A3, P53, MDM2 e KAP-1 se associaram com aspectos clínicos e patológicos de agressividade, porém somente KAP-1 se correlacionou com recidiva tumoral, mas não com a sobrevida dos pacientes. Nossos dados sugerem que a expressão de MAGE A3, P53, MDM2 não é boa marcadora de recidiva, mas todas as proteínas podem auxiliar no diagnóstico diferencial das lesões foliculares da tiroide e confirmar malignidade, podendo ser útil como parte de um painel de marcadores que auxiliam no diagnóstico para câncer diferenciado da tiroide. (AU)