Busca avançada
Ano de início
Entree


Microbiota fúngica e determinação de aflatoxinas em cultivar de amendoim plantado em diferentes regiões produtoras no estado de São Paulo.

Texto completo
Autor(es):
Danielle Diniz Atayde
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Ciências Biomédicas (ICB/SDI)
Data de defesa:
Membros da banca:
Benedito Correa; José Ribamar dos Santos Ferreira Júnior; Ignácio José de Godoy
Orientador: Benedito Correa
Área do conhecimento: Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos da USP-DEDALUS; Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - USP
Localização: Universidade de São Paulo. Biblioteca do Instituto de Ciências Biomédicas; T-ICB BMM QW4; D585mf
Resumo

Os objetivos foram: identificar a microbiota fúngica e a ocorrência de aflatoxinas em cultivar de amendoim, identificar a microbiota fúngica do solo e correlacionar os resultados obtidos com os níveis de atividade de água encontrados. As amostras (solo e amendoim) foram provenientes de: Jaboticabal, Rosália, Tupã e Cafelândia (SP). A microbiota fúngica do solo revelou que o fungo do gênero Penicillium foi o mais frequente (52,1 %) nas quatro regiões durante as duas coletas (após a emergência das plantas e duas semanas antes do arranquio). Dentro do gênero Aspergillus, A. flavus foi a espécie mais frequente (13,5 %). A microbiota fúngica dos grãos e das cascas, das quatro regiões, nas duas coletas (duas semanas antes do arranquio e após o arranquio), demonstrou maior frequência de isolamento do fungo do gênero Fusarium (70,2 %). Do gênero Aspergillus, a espécie A. flavus foi a mais frequente (9,8 %). A análise de aflatoxinas revelou a presença de aflatoxinas em 5 % das amostras de grãos analisadas. Nas cascas, 13,75 % das amostras apresentaram contaminação por aflatoxinas. (AU)