Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Assessment of anxiety and quality of life in fibromyalgia patients

Título (Português): Avaliação da ansiedade e qualidade de vida em pacientes fibromiálgicos
Texto completo
Autor(es):
Tathiana Pagano ; Luciana Akemi Matsutani ; Elisabeth Alves Gonçalves Ferreira ; Amélia Pasqual Marques ; Carlos Alberto de Bragança Pereira
Número total de Autores: 5
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: São Paulo Medical Journal; v. 122, n. 6, p. 252-258, Dez. 2004.
Resumo

CONTEXT: Fibromyalgia is a syndrome characterized by chronic, diffuse musculoskeletal pain, and by a low pain threshold at specific anatomical points. The syndrome is associated with other symptoms such as fatigue, sleep disturbance, morning stiffness and anxiety. Because of its chronic nature, it often has a negative impact on patients' quality of life. OBJECTIVE: To assess the quality of life and anxiety level of patients with fibromyalgia. TYPE Of STUDY: Cross-sectional. SETTING: Rheumatology outpatient service of Hospital das Clínicas (Medical School, Universidade de São Paulo). METHODS: This study evaluated 80 individuals, divided between test and control groups. The test group included 40 women with a confirmed diagnosis of fibromyalgia. The control group was composed of 40 healthy women. Three questionnaires were used: two to assess quality of life (FIQ and SF-36) and one to assess anxiety (STAI). They were applied to the individuals in both groups in a single face-to-face interview. The statistical analysis used Student's t test and Pearson's correlation test (r), with a significance level of 95%. Also, the Pearson chi-squared statistics test for homogeneity, with Yates correction, was used for comparing schooling between test and control groups. RESULTS: There was a statistically significant difference between the groups (p = 0.000), thus indicating that fibromyalgia patients have a worse quality of life and higher levels of anxiety. The correlations between the three questionnaires were high (r = 0.9). DISCUSSION: This study has confirmed the efficacy of FIQ for evaluating the impact of fibromyalgia on the quality of life. SF-36 is less specific than FIQ, although statistically significant values were obtained when analyzed separately, STAI showed lower efficacy for discriminating the test group from the control group. The test group showed worse quality of life than did the control group, which was demonstrated by both FIQ and SF-36. Even though STAI was a less efficient instrument, it presented significant results, showing that fibromyalgia patients presented higher levels of anxiety, both on the state and trait scales. Thus, patients with fibromyalgia had higher levels of tension, nervousness, preoccupation and apprehension, and higher propensity towards anxiety. CONCLUSION: The three instruments utilized showed efficiency in evaluating fibromyalgia patients. FIQ was found to be the most efficient instrument for discriminating and assessing the impact of fibromyalgia on their quality of life. It can be concluded that such patients have a worse quality of life and higher levels of anxiety. (AU)

Resumo

CONTEXTO: Fibromialgia é uma síndrome reumática caracterizada por dores músculo-esqueléticas difusas e crônicas e sítios dolorosos específicos à palpação, chamados de tender points, freqüentemente associados a fadiga, distúrbios do sono, rigidez matinal e, em alguns casos, dispnéia e ansiedade. Devido ao seu caráter crônico, a síndrome geralmente causa impacto negativo na qualidade de vida dos fibromiálgicos. OBJETIVO: Comparar a eficácia de instrumentos que avaliam a qualidade de vida de fibromiálgicos mensurada pelo Fibromyalgia Impact Questionnaire(FIQ) e pelo Medical Outcomes Study 36-item Short-Form Healthy Survey (SF-36), e a ansiedade avaliada pelo Inventário de Ansiedade Traço-estado (IDATE). TIPO DE ESTUDO: Transversal. LOCAL: Ambulatório de Reumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP). MÉTODOS: Participaram do estudo 80 sujeitos: 40 com fibromialgia (grupo teste) e 40 saudáveis (grupo controle). Três questionários (dois para avaliação de qualidade de vida - FIQ e SF-36 -; e um para ansiedade - IDATE) foram aplicados aos indivíduos dos dois grupos em uma única entrevista. Toda a análise estatística foi realizada utilizando-se o Teste "t" Student e o teste de Correlação de Pearson (r), com significância p < 0,05. Além disso, o teste estatístico Qui-quadrado de Pearson, para homogeneidade, foi usado para comparar o grau de escolaridade entre os grupos teste e controle. RESULTADOS: Os resultados obtidos mostram que houve diferença estatisticamente significante entre os grupos (p = 0,00), indicando que os fibromiálgicos têm pior qualidade de vida e níveis mais altos de ansiedade. A correlação entre os três questionários foi alta (r = 0,90). DISCUSSÃO: O impacto negativo na qualidade de vida decorrente da Fibromialgia tem sido relatado em muitos estudos, nos quais os protocolos de avaliação são os principais istrumentos de medida. O FIQ é um instrumento utilizado em vários estudos clínicos para avaliar a função física. Este estudo comprovou a eficiência do FIQ para avaliar o impacto da fibromialgia sobre a qualidade de vida. O SF-36 é menos específico que o FIQ, mas também se mostrou eficiente para a avaliação da qualidade de vida de fibromiálgicos, uma vez que os discrimina dos indivíduos saudáveis. A ansiedade é considerada um sintoma secundário da fibromialgia e é freqüentemente grave nos casos de fibromialgia. Um dos instrumentos utilizados para avaliá-la é o IDATE. No presente estudo, apesar de apresentar resultados estatisticamente significantes quando analisado isoladamente, o IDATE mostrou-se menos eficaz que os demais instrumentos para distinguir o grupo teste do controle. Tratando-se mais especificamente da qualidade de vida, foi possível confirmar que o grupo teste apresenta pior qualidade de vida quando comparado ao controle. Isso foi demonstrado pelos dois instrumentos utilizados para avaliar a qualidade de vida (FIQ e SF-36). Quanto à ansiedade, apesar do IDATE ter sido o instrumento menos eficaz, pôde-se observar resultados significantes na avaliação dos grupos teste e controle, evidenciando que os pacientes com fibromialgia apresentam maior nível de ansiedade, tanto no estado como no traço. Portanto, os pacientes com fibromialgia têm níveis mais elevados de tensão, nervosismo, preocupação e apreensão (avaliados pela escala A-estado); e maior propensão à ansiedade (avaliada pela escala A-traço). CONCLUSÃO: Os três instrumentos utilizados mostraram ser eficazes para avaliar pacientes fibromiálgicos, porém o FIQ mostrou ser o mais eficaz para discriminar e avaliar o impacto da fibromialgia na qualidade de vida. Conclui-se que os pacientes fibromiálgicos têm pior qualidade de vida e níveis mais altos de ansiedade. (AU)

Processo FAPESP: 01/00484-0 - Avaliacao da ansiedade e qualidade de vida em pacientes com fibromialgia.
Beneficiário:Tathiana Pagano
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Iniciação Científica