Busca avançada
Ano de início
Entree

Características ovarianas e qualidade ovocitária de vacas nelore longevas

Processo: 18/07450-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2019 - 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Rafael Herrera Alvarez
Beneficiário:Rafael Herrera Alvarez
Instituição-sede: Departamento de Descentralização do Desenvolvimento (APTA Regional). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Fabiana Ferreira de Souza ; Guilherme Pugliesi ; Keila Maria Roncato Duarte ; Yeda Fumie Watanabe
Bolsa(s) vinculada(s):19/05682-9 - Características ovarianas e qualidade ovocitária de vacas nelore longevas, BP.TT
Assunto(s):Fisiologia da reprodução  Embrião 

Resumo

Na espécie bovina, as informações sobre como a senescência afeta a fisiologia reprodutiva e a qualidade dos gametas são esparsas e limitadas. O maior entrave para a realização de estudos sobre esse tópico deriva da dificuldade em encontrar material experimental adequado, visto que as fazendas comercias descartam seus animais muito tempo antes deles cessar sua capacidade reprodutiva. O objetivo deste projeto é caracterizar os eventos ovarianos, bem como identificar biomarcadores específicos relacionados com a qualidade ovocitária e a fertilidade de vacas longevas. Para tanto, pretende-se responder às seguintes hipóteses: 1) a dinâmica ovariana (onda folicular) independe da idade das vacas, mas pode ser afetada pela população (reserva) folicular, 2) as concentrações hormonais (particularmente do AMH) são diferentes em vacas jovens em comparação com vacas em final da vida reprodutiva. O declínio de AMH seria variável em vacas longevas e estaria relacionada ao número total de folículos antrais nos ovários; 3) A composição proteica do líquido folicular das vacas longevas com boa fertilidade seria diferente do encontrado em vacas jovens de baixa fertilidade; 4) os ovócitos recuperados de vacas longevas apresentam menor qualidade que os recuperados de vacas jovens e a adição de substancias antioxidantes ao meio de cultura seria capaz de reverter a má qualidade desses ovócitos. Experimentos específicos, utilizando vacas longevas, vacas jovens de boa fertilidade e vacas jovens com fertilidade comprometida (vacas falhadas quando inseminadas e expostas com o touro durante mais de 4 meses) foram delineados para responder essas assertivas. A avaliação da dinâmica ovariana será realizada utilizando técnicas não invasivas (ultrassom Doppler), as dosagens hormonais serão realizadas utilizando técnicas de RIA e ELISA, a determinação de proteínas no LF será realizada utilizando técnicas de PAGE associada a HPLC-MS, a recuperação dos ovócitos será realizada in vivo (OPU) e o desenvolvimento embrionário utilizando técnicas convencionais de cultura in vitro. Em conclusão, espera-se que o projeto possa contribuir para o avanço no conhecimento da fisiologia reprodutiva das vacas longevas, identificar biomarcadores relacionados com a longevidade e melhorar a taxa de desenvolvimento embrionário decorrente da suplementação no meio de cultura de substancias com atividade antioxidante. (AU)