Busca avançada
Ano de início
Entree

Sistema automático de prevenção de acidentes para ARP (drones)

Processo: 18/22476-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de julho de 2019 - 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica - Circuitos Elétricos, Magnéticos e Eletrônicos
Pesquisador responsável:Grazziani Resende Rodrigues da Costa Marques
Beneficiário:Grazziani Resende Rodrigues da Costa Marques
Empresa:Grazziani Rodrigues da Costa Marques
CNAE: Fabricação de periféricos para equipamentos de informática
Comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática
Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis
Município: São José do Rio Preto
Pesq. associados:Paulo Scarpelini Neto
Bolsa(s) vinculada(s):19/16064-4 - Sistema automático de prevenção de acidentes para ARPs (drones), BP.TT
Assunto(s):Tecnologia da informação  Sistemas embarcados  Internet das coisas  Revolução Industrial  Veículos aéreos não tripulados  Veículos guiados remotamente  Prevenção de acidentes 

Resumo

As Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP), comumente conhecidas como Drones e Vants, podem ser utilizadas para fins recreativos ou comerciais, tendo sido observado, nesta última hipótese, seu uso frequente em serviços de filmagens, captação de fotografias, renderização em 3D, para busca e salvamento de pessoas, entre outros. Em razão desta vasta diversidade, notou-se aumento considerável de acidentes envolvendo as ARP's, em áreas urbanas e rurais, motivo pelo qual a MAPSKY desenvolve um novo sistema de prevenção de acidentes para ARP's com o acionamento automático de paraquedas. A maioria das ARP's, usualmente destinadas para fins comerciais, não possui essa tecnologia. Ademais, os valores de mercado para aquisição de um sistema de paraquedas variam de R$2.300,00 a R$ 13.247,00, o que o torna pouco acessível no cenário brasileiro. Ressalta-se que o valor mais baixo supracitado destina-se apenas ao sensor e não estando incluso o recipiente com o paraquedas. Com o sistema automático de prevenção de acidentes desenvolvido pela MAPSKY será possível evitar a queda da ARP em pleno voo, impedindo as avarias, já que os sensores nele contido detectam previamente o evento danoso acionando o paraquedas. Possibilitando-se, assim, o pouso seguro da aeronave. Desta forma, o presente projeto tem por meta de desenvolvimento e implementação a análise de sua viabilidade técnica, com o fim de se evitar acidentes aéreos, bem como ferimentos em pessoas, danos estruturais na ARP e danos materiais a terceiros, tornando o voo da aeronave remotamente pilotada mais confiável e seguro. Atualmente no Brasil existem paraquedas embarcados em algumas ARP's, cujo acionamento se dá de forma manual, ou pré-programada apenas no final de uma missão. Inexiste no país tecnologia de acionamento automático para prevenção de acidentes, projeto este que será implantado de forma inovadora pela MAPSKY. Nesse contexto, ressalta-se ainda que medidas de segurança já estão sendo utilizadas por empresas fabricantes de ARP´s, no Brasil e no mundo, com equipamentos ou sistema de acionamento manual, sendo certo afirmar que a longo prazo a adoção de sistemas de segurança, como o de paraquedas ou de proteções de hélices, será bem vista pelos próprios órgãos reguladores, tendo assim o sistema de paraquedas com acionamento automatizado, objeto do presente projeto, maior aceitação no mercado interno. Dessa maneira, este projeto de pesquisa e inovação tem como ponto principal desenvolver uma placa de circuito para compreender as situações de risco durante o voo da ARP e, assim, acionar o sistema de segurança do aparelho, evitando maiores danos. A placa de circuito a ser desenvolvida conterá componentes eletrônicos e sensores que em conjunto analisarão o comportamento da ARP. O microcontrolador será o cerne do sistema de segurança que terá toda a parte computacional desenvolvida para a integração desses componentes e assim determinar os parâmetros da aceleração do eixo em relação à força da gravidade em queda. Para verificar o funcionamento da placa de circuito serão efetuados testes com o osciloscópio e multímetro, bem como a variação de aceleração vertical em bancada. Com todos os procedimentos executados com sucesso, o recipiente do paraquedas deverá ser liberado pelo servo motor que estará conectado a placa de circuito anteriormente descrita. Com a execução destes testes e o bom funcionamento do sistema, o projeto atingirá as metas tornando-se viável para a submissão do PIPE/FAPESP Fase 2. (AU)