Busca avançada
Ano de início
Entree

Contribuição ao conhecimento geológico, arqueológico e biológico do Arquipélago de Mariuá, médio rio Negro - AM

Processo: 20/08592-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2021 - 31 de janeiro de 2023
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Convênio/Acordo: FAPEAM
Pesquisador responsável:Sonia Hatsue Tatumi
Beneficiário:Sonia Hatsue Tatumi
Instituição-sede: Instituto do Mar (IMar). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Pesq. associados: Carlos Augusto da silva ; Casimiro Jaime Alfredo Sepúlveda Munita ; Juan Carlos Ramirez Mittani ; LUIS ANTONIO CASTILLO LOPEZ ; Marcel Silva Passos ; Marcelo Salles Rocha ; Márcio Yee ; NAGABHUSHANA KURUDUGANAHALLI RAMACHANDRAIAH ; Renato Sol Paiva de Medeiros ; Rene Rojas Rocca ; Solange dos Santos Costa
Assunto(s):Amazônia  Rio Negro 

Resumo

O presente projeto pretende estudar o Arquipélago de Mariuá, considerado o maior do planeta, que se localiza no trecho médio do Rio Negro, Amazônia. Possui mais de 1.400 ilhas, cujos depósitos podem guardam registros dos principais processos sedimentares, climáticos e tectônicos que influenciaram as etapas de evolução da Bacia do Rio Negro. Este arquipélago é considerado uma região prioritária para a conservação da biodiversidade, conforme indicado nos seminários e oficinas de âmbito federal e estadual. Apesar de guardar todo esse patrimônio, até o momento, não existem estudos sobre a sedimentação e gênese deste arquipélago, que está vulnerável às ações externas, como a proximidade com a cidade de Barcelos e atividades de mineração no Alto Rio Negro, que potencialmente podem causar profundas modificações na paisagem. Levando em consideração esses fatores, este projeto de pesquisa enfatiza na aplicação de métodos geocronológicos (LOE-SAR, TT-LOE e LM-LOE, Carbono -14) para definir a idades dos depósitos sedimentares que compõem as ilhas e terraços fluviais do Arquipélago de Mariuá, que associados a dados sedimentológicos, estratigráficos, químicos, mineralógicos, arqueológicos e biológicos, permitirão definir etapas de desenvolvimento nos últimos milhares de anos. Os dados obtidos serão de grande importância para fomentar medidas políticas estratégicas de preservação por órgãos governamentais, ajudando a definir parâmetros relacionados ao desenvolvimento regional, como a construção de portos e áreas de expansão urbana no município de Barcelos. As medidas de proteção merecem grande foco em função do alto grau de dependência dos ribeirinhos e indígenas, com relação aos recursos naturais.A execução deste projeto contará com o apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA/AMAZONAS), da Prefeitura Municipal de Barcelos e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Barcelos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)