Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do envelhecimento no desenvolvimento in vitro do fenótipo osteoblástico em células-tronco derivadas de medula óssea humana. Análises morfológica, bioquímica, proteômica e genômica

Resumo

Entre as situações clínicas comumente encontradas na população idosa estão algumas patologias do tecido ósseo, como a osteoporose e a reabsorção severa dos maxilares. A osteoporose é caracterizada por alterações estruturais do tecido ósseo e diminuição da massa óssea, aumentando o risco de fraturas. As reabsorções severas dos maxilares resultam da perda dentária parcial ou total e dificultam ou impedem a reabilitação oral do paciente. Nesse contexto, a terapia celular, utilizando células-tronco derivadas de medula óssea (CTMO), representa um tratamento promissor dessas alterações do tecido ósseo. Tendo em vista que a parcela da população que mais se beneficiaria com a terapia celular seria a de idosos, é fundamental avaliar o efeito do envelhecimento na diferenciação osteoblástica de CTMO. Os resultados apresentados pela literatura são conflitantes e até o momento não há estudos que avaliem de forma detalhada os efeitos do envelhecimento sobre os diversos eventos envolvidos na expressão do fenótipo osteoblástico em CTMO. Portanto, o presente projeto tem como objetivo avaliar a influência do envelhecimento sobre aspectos morfológicos, bioquímicos, proteômicos e genômicos do desenvolvimento in vitro do fenótipo osteoblástico em CTMO. Serão utilizadas CTMO humanas de pacientes divididos em dois grupos com relação à idade: (1) adulto jovem, com idades variando entre 21 e 35 anos e (2) idoso, com idades acima de 60 anos. As culturas serão mantidas em dois meios de cultura distintos, (1) meio não-osteogênico e (2) meio osteogênico, por períodos de até 17 dias, e serão avaliados os seguintes parâmetros: expressão de proteínas da matriz extracelular não-colágena por imunofluorescência indireta e morfologia celular por fluorescência direta, crescimento celular, conteúdo de proteína total, atividade de fosfatase alcalina, formação de matriz mineralizada, acúmulo de lipídeo, expressão de proteínas da matriz extracelular não-colágena e de marcadores imunofenotípicos da superfície celular por citometria de fluxo, perfil de expressão protéica por análise proteômica e perfil de expressão gênica por PCR array. (AU)