Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade das macroalgas vermelhas (Rhodophyta) do estado de São Paulo baseada em barcoding, morfologia e distribuição geográfica

Processo: 12/20134-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Taxonomia Vegetal
Pesquisador responsável:Orlando Necchi Junior
Beneficiário:Natalia Leocadio Rossignolo
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/51270-7 - Diversidade das microalgas vermelhas (Rhodophyta) do estado de São Paulo baseada em barcoding, morfologia e distribuição geográfica (RHODO-SP), AP.BTA.TEM
Assunto(s):Morfologia vegetal   Rhodophyta   Macroalgas   Biogeografia   Código de barras de DNA taxonômico

Resumo

O projeto tem como objetivo o levantamento da biodiversidade de macroalgas vermelhas (Rhodophyta) marinhas e continentais do estado de São Paulo, que abrange mais de 50% das espécies conhecidas no país para o grupo. Para tanto, está sendo utilizada a técnica de "DNA barcoding", complementada com dados de morfologia e de distribuição geográfica. Esses dados estão sendo integrados aos obtidos no projeto BIOTA (98/04955-3) para a composição de bancos de dados, de amostras preservadas e de DNA. O conhecimento da biodiversidade das algas do estado de São Paulo tem sido objeto de estudos desde a década de 1950, porém esse conhecimento é baseado apenas em dados morfológicos e só esporadicamente complementado por abordagens moleculares. A taxonomia de algas vermelhas é notoriamente difícil devido à morfologia e anatomia relativamente simples, e em muitos casos convergente, à grande plasticidade fenotípica e à alternância de gerações heteromórficas. A comparação de sequências de DNA tem sido fundamental para estudos de biodiversidade e de filogenia. Sequências de marcadores moleculares que permitam a identificação de espécies são denominadas de "DNA barcoding". Sequências de "DNA barcoding" organizadas e disponíveis em bancos eletrônicos podem servir de base para um amplo espectro de estudos que incluem levantamentos de biodiversidade, conservação, identificação de espécies crípticas, detecção de espécies exóticas e/ou ameaçadas de extinção, desenvolvimento de sondas de DNA, estudos taxonômicos e filogenéticos, ecofisiológicos, forenses, etc. O projeto é inovador no Brasil para macroalgas e tem servido de modelo para outros estudos semelhantes no país. (AU)