Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da conectividade funcional e estrutural como preditor de resposta clínica ao uso da estimulação transcraniana por corrente contínua no tratamento da depressão unipolar e do transtorno obsessivo compulsivo

Processo: 20/03235-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Andre Russowsky Brunoni
Beneficiário:Tamires Araujo Zanão Mariano
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neuroestimulação   Neuromodulação   Transtorno depressivo maior

Resumo

O Transtorno Depressivo Maior (TDM) e o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) causam prejuízos importantes. Antidepressivo e psicoterapia são os tratamentos mais frequentes, mas muitos pacientes não apresentam resposta desejada, sendo necessário a expansão de outras formas de tratamento, como a Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua (ETCC), técnica de estimulação não invasiva que injeta corrente elétrica de baixa intensidade via eletrodos localizados no escalpe. A corrente atua facilitando ou inibindo a transmissão sináptica e estudos de imagens de ressonância magnética (RM) auxiliam na determinação de biomarcadores para estabelecer alvos de estimulação com maior precisão. O 1o estudo de análise de biomarcadores baseados em RM e efeitos antidepressivos da ETCC (Bulubas et al., 2019) foi realizado em amostra do estudo ELECT-TDCS, auxílio FAPESP (JP 12/20911-5), e comparou a ETCC com escitalopram (20mg/dia) e placebo, estabelecendo correlação entre volume da substância cinzenta do córtex pré-frontal dorso lateral (CPFDL) esquerdo com melhora de sintomas depressivos em comparação entre o grupo ETCC ativo e sham. Outro estudo de ETCC em pacientes com TOC do grupo da Dr. Roseli Shavitt (colaboração com o supervisor da proposta), adquiriu dados de neuroimagem que serão analisados, permitindo a busca de relações entre efeito da ETCC, volumetria de regiões relacionadas ao TOC e da integridade da substância branca destas regiões. As imagens adquiridas no ELECT-TDCS e pelo grupo da Dra. Shavitt incluem imagens estrutural, funcional e de difusão (3T Phillips Scanner), realizadas no HC-FMUSP. A montagem da ETCC (Soterix Medical, EUA; eletrodos= 25 cm2; sessões = 30 minutos de ETCC, com desligamento automático após 30 segundos nos grupos sham) foi aplicada em áreas envolvidas na fisiopatologia dos transtornos, com ânodo no CPFDL esquerdo e cátodo no CPFDL direito para TDM e cátodo em área motora suplementar e ânodo extra cefálico para TOC. O ELECT-TDCS (n total=243, sendo 52 com RM) realizou 22 sessões e o grupo da dra. Shavitt (n= 43) 20 sessões. Para os dois estudos, através do software SimNibs, serão analisados densidade de corrente que efetivamente chegou até substância cinzenta. A partir dos resultados preliminares de Bulubas et al e imagens de Shavitt e colaboradores, nossas hipóteses são: (1) associação entre resposta antidepressiva e densidade do campo elétrico nas regiões pré-frontais para TDM, (2) associação entre diminuição de sintomas do TOC e densidade do campo elétrico na área motora suplementar, (3) correlações positivas entre volume da substância cinzenta do CPFDL esquerdo associado com melhora de sintomas depressivos no grupo ETCC ativo para TDM, (4) a DMN estará mais hiperconectada em indivíduos com sintomas depressivos mais graves; (5) a DMN estará mais hipoconectada em indivíduos com sintomas mais incapacitantes de TOC, (6) a anisotropia fracionada do córtex pré-frontal estará associada a resposta antidepressiva da ETCC, (7) a volumetria cerebral das áreas de Brodmann 9, 10 e 46 esquerdas e 9 direita, não investigadas em Bulubas et al., 2019, estarão diretamente associadas com efeitos antidepressivos da ETCC para TDM, (8) a volumetria cerebral do tálamo e do estriado estarão diretamente associadas com efeitos antidepressivos da ETCC para TOC, (9) a anisotropia fracionada do cíngulo e corpo caloso estarão negativamente correlacionadas aos sintomas para TOC.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa: