Busca avançada
Ano de início
Entree


Ecologia e conservação dos tubarões do arquipélago de Fernando de Noronha, com ênfase no tubarão-cabeça-de-cesto Carcharhinus perezi (Poey, 1876) (Carcharhiniformes, Carcharhinidae)

Texto completo
Autor(es):
Ricardo Clapis Garla
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Rio Claro. 173 f.
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro).
Data de defesa:
Membros da banca:
Otto Bismarck Fazzano Gadig; Roberto Goitein; Emygdio Moreira Filho; Marcelo R. de Carvalho
Orientador: Alberto Ferreira Amorim
Resumo

O presente trabalho visa gerar informações básicas sobre a ecologia e a situação populacional do tubarão-cabeça-de-cesto Carcharhinus perezi, lambarú Ginglymostoma cirratum e tubarão-limão Negaprion brevirostris no Arquipélago de Fernando de Noronha, com ênfase na primeira, por ser numericamente dominante. Utilizou-se a combinação de técnicas de marcação e recaptura e de telemetria ultra-sônica para fornecer informações sobre: estrutura populacional, distribuição espacial dos tubarões e de suas áreas de berçário, época de parto, padrões de movimentação e de utilização do hábitat. Amostras de sangue foram analisadas para caracterização sorológica das espécies. Foi implantado um programa de conscientização e educação sobre a necessidade de conservação dos tubarões, e realizou-se um curso de capacitação em Educação Ambiental para os professores do ensino médio e fundamental. A plataforma insular do arquipélago é utilizada como área de parto e de crescimento de jovens pelas três espécies de tubarões. Carcharhinus perezi apresenta maior segregação espacial por tamanho. Não ocorre segregação espacial em Ginglymostoma cirratum e Negaprion brevirostris pois foram observados indivíduos neonatos, jovens e adultos freqüentando a região próxima à linha costeira do arquipélago. Os tubarões utilizam com menor freqüência o trecho da Área de Proteção Ambiental (APA) do arquipélago, o que possivelmente está relacionado à intensificação da utilização humana e a indícios de empobrecimento biológico da região nos últimos anos. O monitoramento por telemetria mostra que: os tubarões jovens são residentes em trechos específicos do arquipélago; eles podem ser ativos a qualquer horário do dia, mas os maiores espaços de atividade e deslocamentos ocorrem à noite; aparentemente não existem variações sazonais... (AU)

Processo FAPESP: 98/15080-8 - Área de vida, ritmos de atividade seleção de habitat e hábitos alimentares do tubarão-de-recifes Carcharhinus perezi, no arquipelogo de Fernando de Noronha, costa Nordeste do Brasil
Beneficiário:Ricardo Clapis Garla
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado