Busca avançada
Ano de início
Entree

Harry Westfahl Junior

CV Lattes


Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Brasil). Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Possui doutorado em Física pela Universidade Estadual de Campinas (1998), pós-doutorado na Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (2000) e no Ames Laboratory do DOE (2001). Entre 2013 e 2019 foi diretor científico do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e atualmente é diretor deste laboratório. É também coordenador do projeto e a construção das linhas de luz do Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira. Suas principais áreas de atuação científica estão na física da matéria condensada, no uso de radiação síncrotron para o estudo de materiais, principalmente polímeros e materiais magnéticos, e no desenvolvimento de instrumentação para luz síncrotron. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) no Pesquisa para Inovação FAPESP sobre o(a) pesquisador(a):
Simpósio de aniversário de 12 anos do ICTP-SAIFR 
4ª Conferência FAPESP 2023: Sirius 
Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 25/05/2024
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Serviço temporariamente indisponível

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

Sirius, o maior e mais complexo laboratório brasileiro


Publicado em 19 de março de 2019 - Pesquisa FAPESP. Em fase final de construção no interior de São Paulo, o Sirius é um equipamento de última geração que produz radiação síncrotron. Ele é formado por três aceleradores de partículas – no caso, elétrons – das quais se extraem feixes muito concentrados de uma luz especial, capaz de penetrar profundamente até em materiais muito densos e produzir imagens nítidas de sua estrutura microscópica. O Sirius está sendo instalado em um prédio especial de 68 mil metros quadrados, isolado das vibrações e da temperatura do exterior. Quando estiver em funcionamento, também permitirá reconstituir o movimento de fenômenos químicos e biológicos ultrarrápidos que ocorrem na escala dos átomos e das moléculas, importantes para o desenvolvimento de fármacos e materiais tecnológicos, como baterias mais duradouras.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador utilizando este formulário.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: