Busca avançada
Ano de início
Entree


Socioecologia de Sapajus xanthosternos na Reserva Biológica de Una, sul da Bahia

Texto completo
Autor(es):
Priscila Suscke Gouveia
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Psicologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Patricia Izar Mauro; Stephen Francis Ferrari; Briseida Dogo de Resende; Marcos Tokuda; Michele Pereira Verderane
Orientador: Patricia Izar Mauro
Resumo

A socioecologia investiga o efeito de fatores ecológicos sobre padrões de sistema social. Para muitos animais, o risco de predação tem sido apontado como a principal força seletiva favorecendo a sociabilidade. Entretanto, como determinante na variação dos sistemas sociais de primatas, esse fator tem sido considerado menos importante do que a competição por alimento. Os objetivos deste estudo foram (1) investigar a influência da disponibilidade de alimento e do risco de predação no uso do habitat pelo grupo estudado, para avaliarmos se o risco de predação é um fator relevante para essa população, (2) caracterizar o sistema social e (3) investigar se o risco de predação e/ou a oferta de alimento afetam o sistema social de Sapajus xanthosternos, espécie Criticamente ameaçada devido à caça e destruição do seu habitat, o que a torna relevante para o teste de hipóteses. Esta pesquisa foi realizada na Reserva Biológica de Una, cuja vegetação é classificada como floresta de tabuleiro e, na qual a população estudada ainda sofre pressão de caça. Um grupo foi acompanhado por 16 meses, num total de 2126 horas. O risco de predação foi avaliado em função do comportamento de vigilância, vocalizações de alarme, encontros com predadores e indícios de caça. Por meio do método focal árvore alimentação avaliamos o tamanho e qualidade das fontes agregadas. As interações agonísticas e afiliativas foram registradas pelo método de todas as ocorrências. A área de vida e os percursos diários foram calculados para avaliarmos a competição indireta intra e entre grupos. Os resultados foram comparados com os obtidos para uma população de S. nigritus e uma de S. libidinosus. O uso do habitat pelo grupo foi influenciado tanto pela distribuição e disponibilidade de recursos alimentares quanto pelo risco de predação. Os macacos-prego na Rebio Una formam grupos grandes e coesos, com filopatria de fêmeas e, a população é caracterizada por fissão de grupos grandes. O grande tamanho dos grupos favorece a hipótese de que o tamanho mínimo de grupo é determinado pelo risco de predação. O grupo apresentou um elevado número de machos (esperado devido ao número de fêmeas), o que também é considerado por alguns estudos como evidência de alto risco de predação. A estratégia reprodutiva das fêmeas foi relacionada à organização social e, consequentemente, ao risco de predação. S. xanthosternos consome tanto recursos agregados quanto dispersos e despendeu uma alta proporção de tempo forrageando por invertebrados. A hierarquia de dominância entre fêmeas foi parcial e as fêmeas de alto posto alimentaram-se conjuntamente com as fêmeas de baixo posto em fontes agregadas, enfatizando que fêmeas apresentaram relações tolerantes. A maioria das fontes agregadas utilizadas foi de tamanho intermediário em relação ao tamanho do grupo e produtiva e a competição direta por alimento envolvendo fêmeas intra-grupo não foi baixa. A competição indireta intra-grupo foi elevada, o que se constata pelas altas taxas de deslocamento e pelas grandes distâncias diárias percorridas. A competição direta entre grupos foi baixa e o risco de predação percebido foi alto em comparação com outros estudos. O padrão de sistema social, com grupo grande, elevado número de machos, e fêmeas com alto grau de afiliação e tolerância não está de acordo com o esperado por modelos que só consideram o efeito da competição por alimento, e sugere que o risco de predação afeta os componentes que caracterizam o sistema social deste grupo. Em conclusão, o sistema social de S. xanthosternos nesta população é uma resposta à pressão de predação e à oferta de alimento (AU)

Processo FAPESP: 10/51252-1 - Socioecologia de Cebus xanthosternos em área de Mata Atlântica do Sul da Bahia
Beneficiário:Priscila Suscke Gouveia
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado