Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos de um programa de exercícios de controle motor cervical em indivíduos com disfunção temporomandibular: um ensaio clínico randomizado

Processo: 17/18661-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2019 - 31 de março de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Delaine Rodrigues Bigaton
Beneficiário:Delaine Rodrigues Bigaton
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Pesq. associados: Fabiana Foltran Mescollotto ; Susan Armijo-Olivo
Assunto(s):Disfunção temporomandibular 

Resumo

A disfunção temporomandibular (DTM) é definida como um conjunto de alterações clínicas envolvendo músculos mastigatórios, articulação temporomandibular e coluna cervical. Pesquisas atuais e preliminares verificaram os efeitos da terapia manual e do exercício direcionado à coluna cervical em indivíduos com DTM. Entretanto, dentro da busca de literatura realizada para o desenvolvimento desse projeto, não foram encontrados ensaios clínicos controlados randomizados com a finalidade de verificar a eficácia de exercícios direcionados a coluna cervical, isoladamente, em pacientes com DTM. O estudo objetiva determinar o efeito de um protocolo de exercícios cervicais com o uso do feedback visual nas variáveis dor, sinal elétrico, desempenho e faticabilidade dos músculos cervicais, amplitude de movimento da articulação temporomandibular (ATM) e aspectos psicológicos de indivíduos com diagnostico de DTM quando comparados a um grupo placebo. A amostra será dividida em dois grupos: Grupo Exercício, que realizará exercícios cervicais (extensão e flexão) e Grupo Placebo, que receberá estimulação elétrica transcutânea (TENS) placebo. Todas as voluntárias serão avaliadas quanto intensidade de dor, sinal elétrico, desempenho e faticabilidade dos músculos cervicais, amplitude de movimento da ATM e aspectos psicológicos pré, pós e com um follow-up de 24 semanas após o término da intervenção. (AU)