Busca avançada
Ano de início
Entree

Quantificações de estruturas pulmonares radiológica da COVID-19 (infecção por Coronavirus)

Resumo

Em dezembro de 2019 foram identificados uma séria de casos na China do denominado COVID2019, que se alastrou pelo mundo, chegando atualmente a mais de 2.000.000 de casos com 140.000 óbitos. Atualmente, a análise de ácido nucleico viral baseado em RT-PCR (real-time Polymerase Chain Reaction) é usada como método padrão de referência para confirmar a infecção por COVID-19. Uma das principais consequências é processo inflamatório pulmonar, que leva a grande parte das mortes e internações. Nesse sentido, a tomografia computadorizada (TC) é o método de escolha para estas análises e vem sendo considerada a principal método de imagem com alta sensibilidade para detecção das consequências do COVID19 e até mesmo, considerada como método diagnóstico. A COVID19 provoca diversos danos pulmonares, principalmente processos inflamatórios que se manifestam com achados radiológicos do tipo vidro fosco, entre outros. A avaliação é subjetiva e necessita de especialistas trinados. Melhorias na visualização e quantificações das estruturas e achados radiológicos são fundamentais para melhor diagnóstico e determinação quantitativa do percentual pulmonar afetado. Pretende-se nesta proposta, empregando processamento de imagens, gerar algoritmos de realce das características pulmonares afetadas e quantificar estas estruturas frente ao volume pulmonar. Serão empregados métodos de filtragem, segmentação e extração de características objetivas nas imagens de TC nas fases iniciais, durante e após negativação por RT-PCR, visando uma caracterização temporal e espacial, frente as diferentes áreas pulmonares. Este tipo de análise objetiva trará maior subsídio para as decisões diagnósticas dos radiologistas e clínicos, fornecendo suporte de dados para tratamento e sequenciamento dos pacientes curados e gerando processos tecnológicos de auxílio diagnóstico e suporte de dados classificatórios envolvendo estruturas pulmonares afetadas pelo COVID19. (AU)