Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação das sequelas pulmonares, qualidade de vida, capacidade de exercício em pacientes pós COVID-19 moderado a grave no estado de São Paulo: um estudo prospectivo e multicêntrico

Resumo

O coronavírus SARS-COV-2 resultou em infecção de milhões de pessoas no mundo e milhares de mortes. O Brasil é o segundo país com maior número de casos e o Estado de São Paulo o mais afetado. Além do número de mortos, muitos pacientes tiveram um quadro mais grave com necessidade de suplementação contínua de oxigênio e até uso de ventilação mecânica. Nestes casos, a infecção por SARS-COV-2 se caracteriza por ter um acometimento sistêmico e uma internação prolongada. Em pandemias por outros vírus respiratórios do passado (como Influenza H1N1, SARS-COV-1 e MERS), o principal acometimento também se caracterizava por insuficiência respiratória e acometimento sistêmico. Nestes casos, os pacientes sobreviventes apresentaram sequelas importantes e por longo período, chegando a até 1 ano. Na parte respiratória, muitos tiveram prejuízo na função pulmonar e um processo cicatricial fibrosante, com importante prejuízo na troca gasosa. A capacidade de exercício também foi reduzida em muitos casos. E por fim, a qualidade de vida reportada era claramente reduzida. Portanto, fica claro que o risco de vida e o acometimento do estado de saúde do paciente não se restringem somente ao momento da internação, mas podem sim por vários meses após a alta hospitalar. A SARS-COV-2 está se mostrando com internações mais prolongadas, uma gravidade acentuada de insuficiência respiratória e mais complicações de outros órgãos (principalmente cardiovascular e hematológica). Como consequência, é lógico antever que seus pacientes estarão sob maior risco justamente de apresentar estes comprometimentos sequelares. Até o momento, não há ainda dados na literatura científica que descreva os tipos de acometimento e seus prejuízos. O presente estudo tem como objetivo o seguimento prospectivo de pacientes que estiveram internados por SARS-COV-2 com acometimento moderado à grave, definidos pela dependência de oxigênio e extensão de acometimento na tomografia pulmonar. Serão seguidos 200 pacientes em 4 importantes centros médicos e científicos do estado de São Paulo, por um período de 12 meses pós alta hospitalar. Os testes compreendem a função respiratória, a capacidade de exercício com troca gasosa ao esforço, questionários sobre qualidade de vida, força muscular periférica e composição corporal. Acreditamos que muitos pacientes apresentarão prejuízo em vários destas avaliações. Com isso, poderemos identificar a intensidade destes prejuízos e caracterizar os indivíduos de maior risco para sequelas da infecção da SARS-COV-2. Deste modo, poderemos já desenhar estratégias para identificação destes pacientes sob maior risco e, eventualmente, discutir possíveis intervenções terapêuticas, como, por exemplo, uma reabilitação cardiopulmonar mais precoce. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio: