Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito residual do lodo de esgoto na produtividade e ciclagem de nutrientes em plantios de Eucalyptus grandis e no cultivo de plantas alimentícias (simulando alteração do uso agrícola do solo)

Processo: 12/23857-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2013 - 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Silvicultura
Pesquisador responsável:Fábio Poggiani
Beneficiário:Fábio Poggiani
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Pesq. associados:Francisco Antonio Monteiro
Assunto(s):Fertilidade do solo  Adubação  Lodo de esgoto  Ciclagem de nutrientes  Metais pesados  Eucalipto  Florestas 

Resumo

O uso do lodo de esgoto como fertilizante em plantios florestais tem sido incentivado em diversos países, principalmente devido aos benefícios gerados com a reciclagem dos nutrientes e da matéria orgânica no solo. Entretanto, a presença de metais pesados observada em alguns lodos, bem como a falta de conhecimento sobre os efeitos residuais do lodo (à longo prazo) no ambiente agrícola, têm propiciado a sua disposição final em aterros sanitários. Esta pesquisa tem por base a hipótese de que o lodo de esgoto adicionado ao solo, mesmo vários anos após a sua aplicação, continua exercendo efeito (residual) favorável sobre a produtividade e a ciclagem de nutrientes em plantios de eucaliptos ou até em culturas agrícolas. Para isto, foram instalados 4 experimentos na Estação Experimental de Ciências Florestais de Itatinga (EECFI-ESALQ/USP), sendo que três deles representam as seguintes formas de manejo do eucalipto usualmente adotadas no Brasil: 1º.) desbaste, 2º.) condução de rebrota ou talhadia (em 2ª rotação) e 3º.) reforma do povoamento. O 4º experimento simula uma possível mudança no uso agrícola do solo, passando de plantio de eucalipto para área de cultivo de plantas alimentícias, considerando a eventual presença e movimentação de metais pesados no sistema solo-planta. Assim, vários anos após as aplicações do lodo de esgoto (1998, 2003 e 2005) ao solo, na EECFI, vêm sendo avaliados: o crescimento dos eucaliptos em áreas de desbaste, talhadia e reforma; a variação da fertilidade do solo; a produção de folhedo e a ciclagem de nutrientes nos povoamentos de E. grandis, bem como a produção de biomassa e a possível absorção de metais pesados pelas plantas de alface, rabanete e arroz de sequeiro, cultivadas em solo adubado com lodo há praticamente 14 anos. (AU)