Busca avançada
Ano de início
Entree

As luzes da reação: providência e formação do homem em Joseph de Maistre; Les lumières de la reaction: providence et formation de l'homme chez Joseph de Maistre

Resumo

Trata-se da publicação por uma editora francesa - Classiques Garnier -, do texto revisado e reduzido da minha tese de doutorado (PUC-SP, 2008), sobre a noção de educação providencial do Homem em Joseph de Maistre, escritor savoiano dos séculos XVIII-XIX (1753-1821) e grande pensador da Contra-Revolução Francesa. O objeto do estudo é a sua filosofia da história, articulada segundo o conceito de paidéia divina desenvolvido pelo pensamento providencial do cristianismo de fala grega, na obra de Orígenes em especial. A tese de fundo é de que a paidéia se constitui numa perspectiva privilegiada para sustentar uma interpretação verdadeiramente global do seu pensamento, harmonizando e integrando os diversos aspectos que o compõem - sociedade, política, antropologia, teoria do conhecimento, educação - numa visão da formação histórica do homem constantemente referida a seu destino escatológico e sobrenatural. Isto acontece porque Joseph de Maistre é, em essência, um pensador religioso do homem e da sua história, e um ardente continuador da elaboração cristã do humanismo renascentista empreendida pela Companhia de Jesus. A reação de Maistre é, portanto, pensada, não simplesmente imposta, como tantas vezes se advogou. São também luzes o que ele propõe em contraste com as luzes dos philosophes (logo, outras luzes). O seu é também um humanismo, ainda que um outro humanismo. O livro busca, assim, propor uma visão geral da sua doutrina e importância na história das ideias que, como testemunha a vasta fortuna crítica sobre a sua obra, poucas vezes foi tentada, estruturando tanto essa generalidade quanto a especificidade da leitura com base na ideia de uma educação da humanidade de feitio providencial (e, em sentido inverso, de uma Providência educativa) que tem, como objetivo imediato, a formação do homem concreto na finitude aberta do ambiente social, e como meta final o resgate do mal no universo através da aceitação do sofrimento e da sua transfiguração na imitação do Cristo, o molde supremo do ser humano. (AU)