Busca avançada
Ano de início
Entree

Armadilhas de pragas automáticas e geoestatística aplicadas ao manejo integrado de pragas (MIP)

Processo: 17/08195-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de dezembro de 2017 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia
Convênio/Acordo: FINEP - PIPE/PAPPE Subvenção
Pesquisador responsável:Marcus Vinicius Sato
Beneficiário:Marcus Vinicius Sato
Empresa:Agrosmart S/A
Município: Campinas
Bolsa(s) vinculada(s):18/16066-4 - Armadilhas de pragas automáticas e geoestatística aplicadas ao manejo integrado de pragas (MIP), BP.TT
Assunto(s):Geoestatística  Aprendizado computacional  Big data  Agricultura  Feromônios  Manejo integrado  Pragas de plantas  Lagartas 

Resumo

Entre os principais fatores que limitam o rendimento das práticas de agricultura estão as pragas. Anualmente a agricultura brasileira perde cerca de US$ 14,73 bilhões e 7% da produção agrícola devido ao ataque de pragas nas lavouras. No Brasil as culturas mais afetadas são a cana-de-açúcar, o milho e a soja; sendo que as principais pragas que afetam essas culturas são a lagarta do cartucho do milho (Spodoptera frugiperda), a Helicoverpa armigera e a lagarta falsa-medideira (Chrysodeixis includens). Para diminuir as perdas ocasionadas por essas pragas é necessário realizar um monitoramento e um manejo ágil e eficaz. No entanto, o método atual de monitoramento é laborioso, lento, caro e, por vezes, propenso a erros, o que impede atingir metas de desempenho e custo em tempo real. Por isso o objetivo deste projeto é criar um sistema, para monitorar pragas agrícolas, a partir de um dispositivo de imagem distribuído e operado por uma rede de sensores sem fios, que seja capaz de adquirir e transmitir, automaticamente, imagens da área de captura (armadilhas) para uma plataforma de controle remota, que irá permitir o acesso aos dados através da internet. Para atingir esse objetivo serão utilizadas armadilhas de feromônio que atraem o inseto e o prende em cartões adesivos compostos de cola entomológica. Essas armadilhas de feromônio também conterão uma câmera embarcada, para obtenção das imagens dos insetos capturados, e um módulo para envio das imagens capturadas aprovadas para a nuvem. Com as imagens na nuvem será aplicado um algoritmo classificador de imagens; pelos métodos de máquinas de vetores de suporte, redes neurais artificiais, k- vizinhos mais próximos; que será capaz de caracterizar as medidas morfométricas dos insetos e consequentemente identificá-los. Com uma rede de armadilhas espalhados em uma área será possível identificar o momento exato da intervenção com controle químico, assim como o melhor defensivo a ser aplicado, também será possível quantificar o nível de infestação, os locais com necessidade de controle químico e por fim correlacionar a incidência das pragas com outros dados disponíveis na área monitorada. Com essas informações os agricultores poderão obter um manejo de praga mais eficiente e ágil, proporcionando melhoria na qualidade de produção, redução do impacto ambiental causado pela atividade agrícola, economia no custo com insumos e o aumento da eficiência da mão de obra no campo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Inovação sem fronteiras 
Matéria(s) publicada(s) no blog Pesquisa para Inovação FAPESP sobre o auxílio:
Inovação sem fronteiras 
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.