Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise funcional dos genes que codificam as proteínas quinases pkcA e YpkA de Aspergillus nidulans

Processo: 10/52309-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2011
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Gustavo Henrique Goldman
Beneficiário:Ana Cristina Colabardini
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Genes   Proteínas quinases   Proteínas G   Aspergillus nidulans

Resumo

A transdução de sinais é vital para a biologia de todas as células vivas, contribuindo assim para a integração entre os sinais ambientais e as respostas bioquímicas e fisiológicas apropriadas. O sistema de transdução de sinais mais importante nos organismos multicelulares, o sistema heterotrimérico de proteína G, é conservado em todas as células eucarióticas, regulando uma grande variedade de funções celulares, sendo que elementos básicos dessa via de sinalização incluem receptores acoplados à proteína G (GPCRs), proteína G composta pelas subunidades α, ß e γ, reguladores negativos da proteína G (RGSs), e uma variedade de proteínas efetoras. Entre as proteínas efetoras, a proteína quinase C (PKC) é um dos mais importantes componentes das cadeias de transdução de sinais e de vital importância para a célula, controlando processos como proliferação celular e sobrevivência (MORRIS; MALBON, 1999; NEVES; RAM; IYEGNAR, 2002; McCUDDEN et al, 2005). Em mamíferos, além de várias outras funções, a PKC está envolvida com a ativação da via apoptótica em células que sofreram danos ao DNA, e falhas nessas enzimas induzem o surgimento de células cancerígenas (NEVES; RAM; IYENGAR, 2002). No fungo filamentoso Aspergillus nidulans, foram relatados dois genes que codificam PKCs envolvidos com a construção da parede celular e a produção de penicilina, mas os mecanismos que envolvem a sinalização via PKCs ainda não foram completamente elucidados (BOLKER, 1998; YU; KELLER, 2005). Devido às PKCs fúngicas conservarem características estruturais semelhantes com as classes de PKCs de mamíferos, estes organismos nos fornecem bons modelos para a compreensão das funções de PKC. Neste trabalho, mutantes condicionais dos genes que codificam a PKC em A. nidulans (pkcA e pkcB), serão utilizados para a caracterização dessa proteína. (AU)