Busca avançada
Ano de início
Entree

Divulgação científica do projeto de pesquisa "Rastreamento de custódia de provas com identificação individual por radiofrequência ou outras modalidades tecnológicas", realizada no IPT/SP

Processo: 06/51807-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Jornalismo Científico
Vigência (Início): 01 de julho de 2006
Vigência (Término): 30 de junho de 2007
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Comunicação
Pesquisador responsável:Waldomiro de Castro Santos Vergueiro
Beneficiário:Camila Yumi Mandai
Instituição-sede: Escola de Comunicações e Artes (ECA). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). Instituto de Pesquisas Tecnológicas S/A (IPT), Brasil  
Assunto(s):Jornalismo científico   Divulgação científica   Perícia técnica   Ciência, tecnologia e sociedade

Resumo

No Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo são desenvolvidas as mais variadas pesquisas na área de tecnologia, ele se destaca, principalmente, por suas habilidades multidisciplinares e seu pessoal especializado. O projeto escolhido para o desenvolvimento de cobertura jornalística, dentro do Programa José Reis de Incentivo ao Jornalismo Científico (Mídia/Ciência) da FAPESP, foi o programa "Rastreamento de custódia de provas com identificação individual por radiofrequência ou outras modalidades tecnológicas". Este projeto é financiado pela empresa Motorola e conta com o espaço e pesquisadores do IPT e da polícia técnico-científica. O programa tem como objetivo criar condições para o desenvolvimento de tecnologias informatizadas com aplicações em segurança pública. A primeira fase da pesquisa é o desenvolvimento de um sistema informatizado de custódia de provas criminais, com identificação individual por radiofrequência ou outras modalidades tecnológicas. Soluções inovadoras em hardware e software também serão desenvolvidas como complementos necessários à operação do sistema. O intuito é fazer uso dessa tecnologia como itens de segurança e identificação de provas em locais de crime, já que tradicionalmente, essas evidências ao ser coletadas são marcadas apenas com etiquetas de papel e são extremamente vulneráveis à contaminação, perda ou até mesmo furto. Futuramente, essa tecnologia pode ser utilizada como base técnica para diversos equipamentos de segurança pública, questão bastante debatida entre a sociedade civil, órgãos públicos e empresas privadas. (AU)