Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do metabolismo mineral de pacientes com doença renal crônica em diálise peritoneal: correlação entre parâmetros clínicos,bioquímicos e de histologia óssea

Processo: 10/15053-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de setembro de 2010
Vigência (Término): 30 de abril de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Vanda Jorgetti
Beneficiário:Verônica Do Carmo Neves de Gouveia
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/06117-9 - Avaliação do metabolismo mineral de pacientes com doença renal crônica em diálise peritoneal: correlação entre parâmetros clínicos, bioquímicos e de histologia óssea, AP.R
Assunto(s):Nefrologia   Insuficiência renal crônica

Resumo

A doença renal crônica (DRC) é freqüente e constitui-se numimportante problema de saúde pública mundial. Distúrbios do metabolismo mineral-ósseo(DMO) contribuem para evolução clínica adversa desta doença, pois aumentam amorbidade e mortalidade dos pacientes. A associação entre o DMO e aumento damortalidade apóiam -se nas crescentes evidências de que alterações da remodelação ósseafavorecem o desenvolvimento de calcificações vasculares. Essas calcificaçõescomprometem a integridade do sistema cardiovascular e o desenvolvimento de doençascardiovasculares que são as principais causas de óbito de pacientes com DRC. Os DMOestão bem documentados nos pacientes em hemodiálise (HD). Contudo, naqueles emdiálise peritoneal (DP) os estudos são raros, especialmente aqueles com biópsia óssea.Esses estudos têm limitações metodológicas e foram realizados quando o principalquelante de fósforo utilizado pelos pacientes eram à base de cálcio. Este fato, associadocom o elevado teor de cálcio das soluções de diálise, aumentava a sobrecarga de cálcio nospacientes, o que pode ter influenciado o padrão de doença óssea descrito nos estudos maisantigos. Apesar dos inúmeros marcadores bioquímicos existentes do metabolismo mineralósseo, a biópsia óssea continua sendo o padrão ouro. Os nossos objetivos são: avaliar aprevalência dos diferentes tipos de doença óssea através da biópsia de crista ilíaca depacientes em DP; avaliar a associação de fatores clínicos e bioquímicos com os tipos dedoença óssea encontrados; determinar a prevalência de calcificações vasculares, através deradiografia de mãos e quadril; e estudar as correlações entre os DMO e os tipos de doençaóssea encontrados na biópsia. Para tanto, será necessário analisar 30 pacientes com altaremodelação óssea e 30 pacientes com baixa remodelação.