Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise ultraestrutural e de morte celular programada dos elementos traqueais em folhas de Ruschioideae: uma investigação inédita sobre as traqueídes vasculares e a formação dos feixes vasculares periféricos

Processo: 12/11260-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2012
Vigência (Término): 31 de outubro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Morfologia Vegetal
Pesquisador responsável:Gladys Flávia de Albuquerque Melo de Pinna
Beneficiário:Aline Siqueira Nunes
Supervisor no Exterior: Sara Beatriz Maldonado
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidad de Buenos Aires (UBA), Argentina  
Vinculado à bolsa:11/04286-0 - Ontogênese foliar dè Ruschioideae (Aizoaceae) com base nós padrões morfológicos e ná filogenia dò grupo, BP.MS
Assunto(s):Anatomia vegetal   Folhas de planta   Morte celular   Aizoaceae

Resumo

Popularmente conhecidas como flowering stones ou ice plants, as Aizoaceae (Caryophyllales) formam uma família de plantas de folhas suculentas com centro de distribuição localizado no sul da África. A maior parte das espécies classifica-se na diversa subfamília Ruschioideae, cujas plantas apresentam desde folhas dorsiventrais, até folhas cilíndricas ou trígonas, sendo marcante a ocorrência de conação das bases de folhas opostas. Nos estudos anatômicos realizados em Ruschioideae até o momento, observamos a conação das bases foliares implica na ocorrência de feixes vasculares periféricos de arranjo invertido, independentemente da morfologia das folhas adultas. Nossos resultados sugerem que os feixes vasculares periféricos originam-se a partir da blastozona marginal, região responsável pela expansão da lâmina foliar, e apresentam um tipo particular de elemento traqueal, denominado wide-band tracheid (WBT), encontrado em outras famílias de Caryophyllales. Entretanto, a distinção entre as WBTs dos feixes periféricos e os elementos de vaso dos feixes centrais não é tão clara em Aizoaceae em relação às outras famílias sendo, portanto, necessária uma análise ultraestrutural para confirmar a natureza dessas células xilemáticas. A partir do teste TUNEL, utilizado para detecção de morte celular programada, será possível visualizar a formação de novas células condutoras xilemáticas na região da blastozona marginal, de modo a confirmar a hipótese elaborada no presente estudo (Bolsa FAPESP 2011/04286-0), de que esta é a região geradora de novos feixes periféricos em Ruschioideae. Além da relevância científica diretamente vinculada ao projeto de mestrado referido acima, este estágio será um incremento as pesquisas que estão sendo realizadas entre as duas universidades, abrindo novas oportunidades para a continuidade dos estudos sobre a anatomia e ultraestrutura de Aizoaceae. Sob o aspecto acadêmico, a experiência pretendida a partir das trocas de informações com a especialista em histoquímica vegetal, Dra. Sara Beatriz Maldonado, será um importante acréscimo na formação da candidata que vem desempenhando com muita dedicação sua pesquisa no grupo. (AU)