Busca avançada
Ano de início
Entree

Fluxo dos gases do efeito estufa (CO2, N2O e CH4) a partir de solos com cana-de-açúcar em função da adubação com vinhaça concentrada e vinhaça não concentrada em diferentes épocas de aplicação

Processo: 13/12716-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2013
Vigência (Término): 30 de abril de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Heitor Cantarella
Beneficiário:Késia Silva Lourenço
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas, SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):14/24141-5 - Estudo das redes microbianas (networks) que controlam a emissão de N2O, CO2 e CH4 do solo com cana-de-açúcar, BE.EP.DR
Assunto(s):Gases do efeito estufa

Resumo

Os fertilizantes nitrogenados são apontados como um dos principais fatores para o aumento de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera durante o cultivo da cana-de-açúcar, principalmente o oxido nitroso (N2O). Porém outras prática de manejo utilizadas na produção da cana no Brasil afetam as taxas de emissões desses gases, como a reciclagem integral dos resíduos gerados durante a produção do etanol nos canaviais (vinhaça). Estudos recentes indicam que a aplicação de vinhaça não concentrada (VNC), juntamente com os fertilizantes nitrogenados, aumenta as emissões de N2¬O. Portanto, alternativas para reduzir essas emissões são necessárias, principalmente quanto ao manejo da vinhaça aplicada ao solo. Conhecer a emissão dos GEE e avaliar a redução da emissão N2O pelo manejo da vinhaça irá contribuir para melhorar a sustentabilidade da produção de biocombustível. O objetivo dessa proposta é conhecer as perdas de N2O, CH4 e CO2 durante o ciclo produtivo da cana de açúcar após a aplicação de VNC e vinhaça concentrada (VC) em diferentes épocas de aplicação em relação a adubação mineral, além de determinar a mineralização líquida do N quando adicionado VNC e VC ao solo. Serão feitos dois experimentos de campo, distintos quanto à época de aplicação de vinhaça, avaliando o efeito da aplicação 30 dias antes e 30 dias após a fertilização mineral. Serão conduzidos experimentos de incubação aeróbia visando determinar a mineralização após a aplicação dos dois tipos de vinhaça ao solo. A amostragem dos gases N2O, CO2 e CH4 será feita após a aplicação da vinhaça e dos adubos nitrogenados ao solo. As coletas serão feitas a cada dois dias durante dois meses após a aplicação dos fertilizantes, podendo ser mais espaçadas em períodos em que os fluxos dos GEE estejam baixos. Após serão feitas coletas a cada 15 dias e em momentos que se espera aumento de emissão de N2O. As amostras de gases serão analisadas por cromatografia gasosa e os dados serão comparados por meio de valores médios e erro padrão, sendo que a emissão acumulada será submetida à ANOVA e as médias comparadas por contrastes. Os resultados da presente pesquisa deverão contribuir para o melhor entendimento dos fatores que influenciam os fluxos dos GEE, especialmente N2O, além de definir melhores estratégias para mitigação das emissões desses gases. Colaboração foi estabelecida com o Departamento de Ecologia Microbiana do Instituto de Ecologia da Holanda (NIOO, Wageningen University), pesquisadores daquela instituição usarão os mesmos experimentos para quantificar os grupos funcionais microbianos e abundância de genes microbianos do ciclo do C e do N, sob diferentes práticas de manejo da cana de açúcar no Brasil após a aplicação de dois tipos de vinhaça combinado com N fertilizante e palha.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Novo método de manejo ajuda a mitigar a emissão de gases estufa no cultivo da cana