Busca avançada
Ano de início
Entree

Implementação do modelo de aerossóis no modelo brasileiro de sistema terrestre (BESM) e sua validação com dados de satélite

Processo: 14/03149-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Meteorologia
Convênio/Acordo: CNPq - Pronex
Pesquisador responsável:Carlos Afonso Nobre
Beneficiário:Jayant Pendharkar
Instituição-sede: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). São José dos Campos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/50528-6 - Modelo brasileiro do sistema climático global, AP.PFPMCG.TEM
Assunto(s):Aerossóis   Poluição atmosférica

Resumo

Os aerossóis atmosféricos consistem num dos problemas mais evidentes de poluição atmosférica e também desempenham um importante papel sobre a meteorologia e clima. Partículas de aerossol podem influenciar o clima em escalas regionais e globais através de interações diretas, atuando como centros espalhadores ou absorvedores de luz solar (Jacobson, 2001), ou indiretamente atuando sobre a formação e o ciclo de vida de nuvens, e assim modificando ciclos hidrológicos (Kaufman, 1995). Seu transporte a longas distâncias por correntes de ar pode favorecer a interferência na química e na física da atmosfera, não somente em escala local, mas também potencialmente em escalas regionais e até globais (Freitas et al., 2005).Somente a partir da última década a comunidade científica tem buscado a inclusão de efeitos de aerossóis sobre o clima em modelos numéricos atmosféricos para previsão de tempo, clima e qualidade do ar. Esse processo significa um extraordinário aumento não apenas da complexidade, mas principalmente do conhecimento das incertezas envolvidas em cenários de mudanças climáticas (Andreae et al., 2005). Por muito tempo, os efeitos bem conhecidos de aquecimento dos gases de efeito estufa eram a questão central mais significativa nos modelos de previsão climática. A inclusão dos aerossóis nos modelos atmosféricos traz novos desafios em termos de desenvolvimento de novas parametrizações, que representem apropriadamente os diversos processos, através dos quais partículas de aerossóis interagem com outros elementos atmosféricos. Este projeto tem como objetivo a implementação do modelo de aerossóis Hamburg Aerosol Model (HAM) desenvolvido no Max Planck Institute (MPI), da Alemanha, no Modelo Brasileiro de Sistema Terrestre (BESM), utilizando para esta finalidade o módulo de aerossóis HAM do modelo European Centre Hamburg Model (ECHAM 6.1.0-ham2.2-moz0.9). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ALVIM, DEBORA SOUZA; PENDHARKAR, JAYANT; CAPISTRANO, VINICIUS BUSCIOLI; FRASSONI, ARIANE; ENORE, DIEGO PEREIRA; DE MENEZES NETO, OTACILIO LEANDRO; GUTIERREZ, ENVER RAMIREZ; CHOUDHURY, AYANTIKA DEY; KUBOTA, PAULO YOSHIO; DA SILVA, JOSIANE; CORREA, SERGIO MACHADO; NOBRE, PAULO; FIGUEROA, SILVIO NILO. Aerosol distribution over Brazil with ECHAM-HAM and CAM5-MAM3 simulations and its comparison with ground-based and satellite data. ATMOSPHERIC POLLUTION RESEARCH, v. 8, n. 4, p. 718-728, JUL 2017. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.