Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de compostos poliméricos a base de poliolefinas recicladas modificadas com farinha da casca do fruto de cacau

Processo: 16/03893-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE  
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Marcio Kobayashi
Beneficiário:Marcio Kobayashi
Empresa:Afinko Soluções em Polímeros Ltda
Vinculado ao auxílio:15/01063-1 - Desenvolvimento de compostos poliméricos a base de poliolefinas recicladas modificadas com farinha da casca do fruto de cacau, AP.PIPE
Assunto(s):Polímeros (materiais)   Poliolefina   Farinhas   Cacau   Termoplásticos   Fibras vegetais

Resumo

O presente projeto de pesquisas visa o desenvolvimento de compostos poliméricos a partir de termoplásticos, como poliolefinas recicladas, modificados com resíduos vegetais obtidos da casca do fruto do cacau descartada como resíduo após a extração de sua semente. A inovação tecnológica proposta não está só baseada na produção dos compostos termoplásticos a partir de farinha de casca do fruto de cacau, que é uma novidade em termos de compostos termoplásticos baseados em resíduos de vegetais, mas sim no aumento do valor agregado do resíduo dentro da cadeia produtiva do cacau e contribuir econômica e socialmente para o incentivo ao produtor de cacau e indivíduos associados participantes desta importante cadeia. Assim, a transformação da casca do fruto de cacau em farinha e o seu uso como carga de origem vegetal para termoplásticos pode ser considerado uma inovação em amplo contexto. Levando em consideração esta inovação se espera disponibilizar comercialmente o composto proposto para fabricação de produtos semelhantes a compostos termoplásticos modificados com farinha de madeira como embalagens ou outras aplicações como painéis, móveis, etc. A avaliação do desempenho da farinha da casca de cacau como carga vegetal para termoplásticos será realizada nesta etapa a partir das características de suas partículas, como tamanho e distribuição do tamanho de partícula, de sua característica química quanto a composição biológica, como quantidade de lignina e de outros componentes, de sua estabilidade térmica, além da sua capacidade de absorção de umidade. Outros aspectos importantes também serão avaliados como sua influência sobre as características de incorporação na matriz termoplástica, analisadas pelo empacotamento e nível de carregamento/composição, pela estabilidade térmica durante o processo de incorporação no composto, pela densidade e pelo nível de aumento de viscosidade do composto fundido, comparado a poliolefina pura. Esta proposta conta com o apoio importante da instituição Embrapa Instrumentação de São Carlos que contribuirá em atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação em compósitos com fibras vegetais, conforme pode ser observado em documento em anexo, cujo apoio deverá ser transformado oficialmente parceria após possível aprovação desta proposta. (AU)