Busca avançada
Ano de início
Entree

Reaproveitamento de dispositivos computacionais com vistas à sustentabilidade na área de tecnologia da informação

Processo: 16/16016-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica
Pesquisador responsável:Marcelo Augusto Gonçalves Bardi
Beneficiário:Lucas Zorzi
Instituição-sede: Universidade São Francisco (USF). Campus Itatiba. Itatiba , SP, Brasil
Assunto(s):Dispositivos eletrônicos   Sucata eletrônica   Reciclagem   Sustentabilidade   Engenharia de computação

Resumo

Com um crescimento na evolução tecnológica dos mais diversos dispositivos eletrônicos e sua difusão, além do baixo tempo de vida associado a esses equipamentos, a geração de lixo eletrônico é uma preocupação mundial devido ao grande impacto ambiental causado pelo seu descarte inadequado. Como prática comum, a reciclagem de sucatas eletrônicas permite a recuperação de elementos que possuam algum valor econômico agregado, como metais preciosos e terras raras. Entretanto, alguns elementos ainda permanecem como rejeitos e continuam descartados indevidamente. Dessa forma, esse projeto de pesquisa vem estudar e realizar propostas de "reinserção" de equipamentos classificados como lixo eletrônico em aplicações cotidianas, tanto domésticas como corporativas, sempre buscando oferecer uma visão sustentável e uma discutição baseada aspectos de viabilidade econômica, social e tecnológica. Inicialmente, deve-se traçar um panorama de produção de lixo eletrônico na região de Itatiba (SP), sendo, assim, possível definir metodologias de reutilização de elementos eletrônicos antes tidos como obsoletos. Pretende-se, como alternativas, propor a inserção como auxílio em processamento colaborativo, na chamada computação em nuvem, na criação de um Repositório OnLine de Lixo Eletrônico, bem como na criação de novos objetos eletrônicos baseados nos componentes individuais de equipamentos que não mais possuem condições de reaproveitamento como um todo. Com essas propostas, é possível agregar valor ao produto tecnológico pós-consumo recuperado e reaproveitado, gerando lucro a partir de algo que já se encontrava obsoleto. (AU)