Busca avançada
Ano de início
Entree

Metabólitos secundários da bactéria entomopatogênica Xenorhabdus szentirmaii com atividade contra Sclerotinia sclerotiorum

Processo: 19/23702-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Luís Garrigós Leite
Beneficiário:Nathalie Otoya Martinez
Instituição-sede: Instituto Biológico (IB). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/50334-3 - Plano de Desenvolvimento Institucional em Pesquisa (PDIp): modernização e adequação de unidades multiusuárias estratégicas do Instituto Biológico, AP.PDIP
Assunto(s):Controle biológico   Doenças de plantas   Mofo branco   Metabólitos secundários   Bactérias entomopatogênicas   Xenorhabdus   Sclerotinia sclerotiorum   Soja   Fungicidas   Cromatografia líquida

Resumo

Sclerotinia sclerotiorum é o agente causal do Mofo Branco, uma doença que pode atacar cerca de 500 espécies de plantas, dentre elas a soja. A área cultivada de soja na América do Sul cresceu mais que o dobro nos últimos 10 anos, sendo o Brasil o segundo produtor mundial. Porém o sistema de produção da soja ainda enfrenta desafios como o aparecimento de novas pragas e doenças. Portanto, este projeto tem por objetivo avaliar e identificar os compostos presentes nos filtrados da bactéria X. szentirmaii visando o manejo do fungo S. sclerotiorum. Para isso primeiro será avaliada a estabilidade em prateleira de X. szentirmaii e de seus Metabólitos Secundários (MS) para o manejo do fungo S. sclerotiorum, paralelamente será avaliada a inibição de S. sclerotiorum em sementes de soja protegidas com X. szentirmaii e seus MS misturados com meia e uma quarta parte da dose recomendada do fungicida CERTEZA®. Posteriormente será realizada a identificação e o isolamento dos compostos antimicrobianos presentes nos MS através de cromatografia líquida. Após o isolamento dos compostos, será avaliado o efeito inibitório in vitro e em tratamento de sementes de soja dos mesmos sobre S sclerotiorum. Finalmente será verificada a possibilidade de se-desenhar quimicamente a molécula do composto antimicrobiano que mais iniba o desenvolvimento de S. sclerotiorum, para assim testar a eficiência in vitro (adição do composto em meio de cultura e verificar o efeito no crescimento micelial do fungo) e in vivo (revestir o composto na semente de soja visando protegê-la contra a ação do fungo) do composto químico sobre o fungo S. sclerotiorum. Havendo sucesso no tratamento das sementes de soja espera-se conhecer o(s) composto(s) responsável pela inibição de S. sclerotiorum, e desenvolver um produto baseado nos MS de X. szentirmaii ou na molécula que proporcione maior inibição de S. sclerotiorum para assim contribuir ao manejo do Mofo Branco da soja. (AU)