Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento e aplicacao de um ensaio para isolamento de enterovirus pela tecnica de "shell vial".

Processo: 00/02558-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2000
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2000
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Eurico de Arruda Neto
Beneficiário:Rodrigo Ivo Marques dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:95/09692-2 - Meningites por enterovírus: estudos de patogênese, imunidade e prevalência em Ribeirão Preto, AP.JP
Assunto(s):Enterovirus   Isolamento viral

Resumo

O presente projeto visa desenvolver um ensaio para isolamento de enterovírus pela técnica de "shell vial" e compará-lo com RT-PCR e isolamento em cultura convencional de células. Os métodos atualmente disponíveis para isolamento de enterovírus são trabalhosos, requerendo o uso de combinações de culturas de células de diferentes linhagens e inoculação em camundongos lactentes para atingir níveis satisfatórios de sensibilidade. A técnica de RT-PCR é muito sensível e tem aplicabilidade prática para diagnosticar essas infecções. Todavia, quando é importante obter-se isolados de enterovírus viáveis para estudo de caracterização fenotípica e genotípica, a técnica de RT-PCR sozinha é limitada. Além disso, a técnica de "shell vial" reduz o tempo necessário e a sensibilidade da detecção de vírus quando comparada com isolamento em monocamadas de células por desenvolvimento de efeito citopático. Portanto, é possível supor que a técnica de "shell vial" poderá aumentar as chances de obtermos isolados de enterovírus a partir de amostras clínicas para análise fenotípica e genotípica. Utilizaremos estoques pré-titulados de exemplares de vírus coxsackie A e B, echovírus e enterovírus numerados (68-71) para desenvolver o método, compará-lo-emos com RT-PCR e isolamento convencional e, posteriormente, aplicaremos o ensaio a amostras clínicas de pacientes com suspeita de infecção por enterovírus. (AU)