Busca avançada
Ano de início
Entree

Profilaxia da enxaqueca com baixas doses de aspirina: ensaio clínico randomizado

Processo: 97/04223-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de setembro de 1997
Vigência (Término): 30 de novembro de 1999
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Pesquisador responsável:Isabela Judith Martins Bensenor
Beneficiário:Isabela Judith Martins Bensenor
Anfitrião: Joann E. Manson
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Brigham and Women's Hospital (BWH), Estados Unidos  
Assunto(s):Prevenção de doenças   Cefaleia   Ácido acetilsalicílico   Mulheres

Resumo

Evidências obtidas em laboratório e em estudos clínicos com pequeno número de pacientes levantaram a possibilidade utilização benéfica da aspirina como medicação profilática para a enxaqueca. Dois estudos randomizados e de grandes proporções, o Physicians Health Study e o British Doctors' Trial mostraram um redução evidente de 20 ou 30% na taxa de recorrência da enxaqueca na vigência da profilaxia com aspirina. Nenhum estudo, entretanto, foi capaz de coletar dados detalhados sobre o tipo, freqüência, gravidade ou duração da enxaqueca, e todos os estudos anteriores sempre foram realizados em homens. O presente estudo tem a oportunidade única de avaliar o papel da aspirina em baixa dosagem na profilaxia da enxaqueca em mulheres como parte do Women's Health Study. O Women's Health Study é um ensaio clínico já em curso, custeado pelo National Institutes of Health, randomizado, duplo cego, controlado para placebo sobre os possíveis benefícios e riscos na prevenção primária da doença cardiovascular e do câncer em mulheres com mais de 45 anos de dosagens baixas de aspirina (100 mg todos os dias), beta-caroteno e da vitamina E. As participantes que responderam de forma positiva a história de enxaqueca pelo menos uma vez por mês, foram convidadas a participar deste sub-estudo. Como parte deste subestudo, já em andamento, cada mulher completará um questionário básico e detalhado sobre enxaqueca, um ano de um diário sobre enxaqueca e um questionário de seguimento após 12 meses, para documentar a existência e o tipo de enxaqueca basal, assim como a freqüência, gravidade, e duração da enxaqueca durante o primeiro ano após a randomização. Informações sobre potenciais fatores de confusão ou modificadores de efeito, como utilização de hormônios pós-menopausa, foram incluídos dentro do Women's Health Study. Até o momento mais de 28.000 mulheres profissionais da saúde foram randomizadas no Women's Health Study, das quais 600 dentro deste sub-estudo; ao final do cadastramento para o Women's Health Study espera-se que aproximadamente 40.000 mulheres estejam cadastradas das quais 1000 neste sub-estudo. Assim, a força deste estudo em comparação a outros estudos efetuados até esta data, está relacionado ao tamanho da amostra assim como nos detalhados diários coletados no período inicial e após um ano. Estas análises de dados já existentes acrescentarão informações relevantes a respeito da utilização da aspirina na enxaqueca, de um modo eficiente com uma boa relação custo-benefício. (AU)