Busca avançada
Ano de início
Entree


Fluxo de seiva e relação foliar de cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.)

Texto completo
Autor(es):
Gustavo Cavalari Barboza
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Campinas, SP.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Engenharia Agrícola
Data de defesa:
Membros da banca:
José Teixeira Filho; André Luiz Lopes da Silveira; Marcos Vinicius Folegatti; Antonio Carlos Zuffo; Jurandir Zullo Junior
Orientador: José Teixeira Filho
Resumo

O Brasil se apresenta como o principal país a implantar, em larga escala, o etanol como combustível alternativo ao petróleo. No entanto, diversos fatores interferem na produção da cana-de-açúcar (solo, clima, manejo e variedade). Assim, este trabalho teve como objetivo estudar os comportamentos ecofisiológicos da transpiração e condutância estomática na escala de folha e, a transpiração na escala de planta, para a variedade RB 867515 em resposta às variáveis ambientais, como radiação global, radiação fotossinteticamente ativa, déficit de pressão de vapor da atmosfera e ao potencial hídrico foliar antemanhã. Para isso, foi instalada uma parcela de cana-de-açúcar em que foram realizadas medidas de transpiração e condutância estomáticas nas folhas com auxílio de um analisador automático de fotossíntese (IRGA) e também, foram instalados sensores de fluxo de seiva, pelo método de balanço de calor, para o monitoramento da transpiração na escala de planta. Medidas de potencial hídrico foliar antemanhã foram realizadas para o acompanhamento das disponibilidades hídricas no solo. Em cada escala, foram descritos e quantificados os principais mecanismos dos fluxos de água na cultura. Os resultados evidenciaram que a transpiração e a condutância estomática, tanto na escala de folha quanto na escala de parcela, estiveram associadas às condições do clima (radiação global, radiação fotossinteticamente ativa e déficit de pressão de vapor) e às condições do potencial hídrico foliar antemanhã. Durante a fase experimental, ocorreu um evento climático extremo, o que provocou o tombamento de parte das plantas, resultando em menores taxas de trocas gasosas, devido à menor incidência da radiação solar sobre as plantas nessa condição e, assim, resultou na diminuição na transpiração total da parcela, no qual os efeitos dos fatores ambientais sobre as folhas variam conforme a posição delas na copa. As informações geradas possibilitarão o desenvolvimento de melhores manejos e cultivares, permitindo assim explorar ao máximo o local de produção e promovendo o melhor rendimento da cultura, visando uso eficiente dos recursos hídricos (AU)

Processo FAPESP: 12/05549-8 - FLUXO DE SEIVA E RELAÇÃO HÍDRICA FOLIAR DE CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum officinarum L.) PROPONDO A MUDANÇA DE ESCALA
Beneficiário:Gustavo Cavalari Barboza
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado