Busca avançada
Ano de início
Entree


Caracterização epidemiológica da brucelose bovina no Estado de Rondônia

Texto completo
Autor(es):
Karina de Senna Villar
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Data de defesa:
Membros da banca:
Fernando Ferreira; José Soares Ferreira Neto; Patricia Silvia Pozzetti
Orientador: Fernando Ferreira
Resumo

Perante a importância do Programa Nacional de Controle Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) para as cadeias produtivas de carne e leite, para os consumidores de produtos de origem animal, para a imagem que o país projeta nos mercados mundiais e tendo em vista os altos custos inerentes aos procedimentos necessários para se atingir os objetivos do programa, faz-se necessária à realização de estudos que visem elucidar a situação epidemiológica da brucelose no plantel bovino nacional, incluindo-se o rebanho rondoniense, objetivando-se a escolha de condutas e estratégias adequadas e criação de um mecanismo racional de verificação da efetividade das ações implementadas em cada região produtora. Como conseqüência, foi composta uma parceria envolvendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e o Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da FMVZ-USP para promover a condução de estudos soroepidemiológicos nos Estados. O Estado de Rondônia foi dividido em três regiões homogêneas (circuitos produtores de bovinos), as quais foram caracterizadas epidemiologicamente e onde foram realizados estudos de prevalência. Os resultados indicaram uma prevalência aparente de 34,57% [31,49; 37,65], sendo a prevalência aparente por circuito: circuito 1, 41,48% [35,95; 47,18], no circuito 2, 31,70% [26,52; 37,24] e no circuito 3, 31,61% [26,47; 37,11].A prevalência de fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses soropositivas no Estado foi de 6,22% [4,88-7,56]. A prevalência de fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses soropositivas por circuito foi: circuito 1 8,33% [5,90-10,76%], circuito 2, 5,95% [4,30-7,61%], circuito 3, 4,60% [2,54-6,65%]. A alta prevalência dos focos apresenta-se distribuída de maneira homogênea entre os circuitos. Os fatores de risco associados à condição de foco foram: histórico de aborto OR= 1,42 [1,04-1,95] e exploração de corte OR= 1,75 [1,30-2,38]. Faz-se importante ressaltar que o presente estudo é inédito para a Unidade Federativa e o conhecimento da situação inicial permitirá acompanhar o andamento do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) e julgar a necessidade de promover correções, evitando o desperdício de tempo e recursos. (AU)

Processo FAPESP: 06/58544-2 - Caracterização epidemiológica da brucelose bovina N‚O Estado de Rondônia
Beneficiário:Karina de Senna Villar
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado