Busca avançada
Ano de início
Entree


Análise da Vegetação de ARIE Cerrado Pé-de-Gigante (Santa Rita do Passa Quatro, SP).

Texto completo
Autor(es):
Marco Antonio Portugal Luttembarck Batalha
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Waldir Mantovani; Leopoldo Magno Coutinho; Fernando Roberto Martins
Orientador: Waldir Mantovani
Resumo

No presente trabalho, estudamos uma área de vegetação natural, composta principalmente por cerrado, com 1269 ha, situada no munícipio de Santa Rita do Passa Quatro, estado de São Paulo (21 36-44 S e 47 34-41 W). O levantamento florístico da área foi efetuado em 18 excursões de coleta mensais, com duração de 3 ou 4 dias cada, entre setembro de 1995 e fevereiro de 1997. Em cada uma das formações e fisionomias de cerrado existentes (cerradão, cerrado sensu stricto, campo cerrado, campo úmido, mata ciliar, floresta estacional semidecídua), o material em fase florífera ou frutífera ou de formação de esporos foi coletado e, posteriormente, prensado e identificado em nível específico. Coletamos 1944 exsicatas, representando 499 espécies, 317 gêneros e 107 famílias. As famílias que se destacaram foram: Asteraceae, Fabaceae, Poaceae e Rubiaceae. A comparação das formações e fisionomias de cerrado através de índice de similaridade ressaltou a unidade florística do cerrado. Para auxiliar a identificação das espécies coletadas, construimos chaves baseadas em caracteres vegetativos para as formações de cerrado sensu lato, campo úmido, mata ciliar e floresta estacional semidecídua. Para estudar a estrutura da comunidade vegetal, lançamos aleatoriamente parcelas nas fisionomias de cerrado e na floresta estacional semidecídua, cujos tamanhos e critérios de inclusão foram diferentes em função de variações no componente lenhoso. A biomassa, estimada pelo volume cilíndrico total, aumentou do campo cerrado à floresta estacional semidecídua, com valores intermediários no cerrado sensu stricto e no cerradão. O cerrado, em suas três fisionomias, apresentou não só grande diversidade alfa, como também altas diversidades beta e gama. A partir dos dados do levantamento florístico, estudamos as variações fenológicas das espécies, procurando analisá-las como estratégias adaptativas. A proporção de espécies anemo e autocóricas foi maior no componente herbáceo-subarbustivo, ao contrário das zoocóricas, mais freqüentes no componente arbustivo-arbóreo. As espécies arbustivo-arbóreas floresceram principalmente no início da estação chuvosa, enquanto que as herbáceo-subarbustivas produziram flores, de modo geral, apenas no final da estação úmida, após período de acúmulo de carboidratos. A proporção de espécies anemo e autocóricas em frutificação foi maior na estação seca, quando sua dispersão é mais eficiente. Já as espécies zoocóricas frutificaram principalmente durante toda a estação quente e chuvosa, quando seus frutos carnosos podem se manter atraentes por mais tempo. (AU)

Processo FAPESP: 95/04290-3 - Análise da vegetação da reserva Pé-de-gigante (Santa Rita do Passa Quatro, SP)
Beneficiário:Marco Antônio Portugal Luttembarck Batalha
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado