Busca avançada
Ano de início
Entree


Bandeirismo paulista: o avanço na colonização e exploração do interior do Brasil (Taubaté, 1645 a 1720)

Texto completo
Autor(es):
Leandro Santos de Lima
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Data de defesa:
Membros da banca:
Laura de Mello e Souza; Rodrigo Monteferrante Ricupero; Adriana Romeiro
Orientador: Laura de Mello e Souza
Resumo

Até poucas décadas atrás reinava a idéia de que o bandeirismo paulista tinha sido o resultado natural de uma raça de gigantes que foi obrigada, devido ao suposto abandono da metrópole, a adentrar o sertão para buscar o remédio para sua pobreza. Essa definição colocava tal fenômeno histórico num patamar de influências exclusivamente locais, considerando-o atípico e isolado de qualquer relação com a empresa colonial portuguesa. Porém, a historiografia atual, ao revisitar esse tema, vem propondo novos caminhos analíticos diferentes daqueles que até então vigoravam. Seguindo a atual tendência, a presente pesquisa teve por objetivo analisar pontualmente o bandeirismo taubateano, entre os anos de 1645 e 1720, como um fenômeno histórico, fruto de um processo econômico, social e político, tanto de caráter local, como também, colonial. Verificou-se que a segunda metade do século XVII assistiu a uma reorientação nas incursões sertanistas, tanto de caça ao índio como de pesquisa mineral. Essas atividades, se por um lado eram financiadas pelo capital privado, que podia, ou não, ser do próprio grupo social bandeirante, por outro lado recebiam o incentivo oficial vindo da metrópole por meio da correspondência entre os agentes oficiais da administração portuguesa. O bandeirante, visando a dominação do poder local, desejava não só enriquecer, mas também enobrecer; já a coroa desejava a injeção de novas riquezas e, para isso, precisava do colono para aprofundar a exploração de suas terras na América, daí incentivar tais incursões com a promessa de honras, mercês e títulos. No jogo de interesses, a relação era simbiótica, ou seja, era uma empresa em conjunto. Enfim, tanto o grupo bandeirante local quanto a monarquia lusitana desejavam a mesma coisa: a manutenção do poder. (AU)

Processo FAPESP: 08/55753-5 - O bandeirismo taubateano e a administracao portuguesa: relacoes de poder e a politica de incentivo a busca de metais preciosos (1645-1720)
Beneficiário:Leandro Santos de Lima
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado