Busca avançada
Ano de início
Entree


O ensino da filosofia no limiar da contemporâneidade : o que faz o filósofo quando seu ofício é ser professor de filosofia

Texto completo
Autor(es):
Rodrigo Pelloso Gelamo
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Marília. 137 f.
Instituição: Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília.
Data de defesa:
Membros da banca:
Maria Eugênia Morais Vilela; Divino José da Silva; Sinésio Ferraz Bueno; Silvio Donizete de Oliveira Gallo
Orientador: Pedro Angelo Pagni
Resumo

A presente tese analisa o tema do ensino da filosofia no ensino superior, tendo em vista discutir o problema do ofício do filósofo quando sua tarefa é ensinar a filosofia. Nesse sentido, o tema analisado e o problema discutido na tese têm como ponto de partida as questões suscitadas no exercício da docência da disciplina Filosofia em cursos de graduação de outras áreas, objetivando contribuir tanto para buscar outros sentidos a essa prática quanto para os estudos sobre o ensino da filosofia no Brasil. Por meio de uma revisão bibliográfica sobre o ensino da filosofia no Brasil, e da leitura de autores clássicos (Kant e Hegel), procuramos encontrar ressonância de nosso problema na literatura sobre o assunto. Essa revisão além de não responder ao problema, ampliou-o, pois, pudemos notar que os questionamentos sobre o ensino da filosofia se agrupavam em três grupos: sobre a importância, sobre o conteúdo e sobre o método para se ensinar a filosofia. Com o objetivo de escapar dessas formas de problematização, recorremos a Gilles Deleuze e Michel Foucault para propor uma outra maneira de encaminhar uma problematização de modo que o problema do ensino da filosofia não recaísse nesse mesmo registro. Com Deleuze pudemos compreender que existem mecanismos, chamados por ele de imagens dogmáticas do pensamento, que aprisionam os problemas a respostas preestabelecidas. A partir disso, fizemos a relação dessa noção com os problemas que eram colocados pelo ensino da filosofia, os quais funcionavam como essas imagens dogmáticas do pensamento. Com Foucault procuramos um modo de problematizar no qual pudéssemos estar, simultaneamente, como elemento e ator desse problema. Com isso, circunscrevemos um problema presente no ensino da filosofia que se plasma no empobrecimento da experiência, causado pela excessiva preocupação com a transmissão de conhecimentos através da... (AU)

Processo FAPESP: 05/02816-1 - Produção de subjetividade e ensino de filosofia
Beneficiário:Rodrigo Pelloso Gelamo
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado