Busca avançada
Ano de início
Entree


Evidências da associação entre testosteronas e doença periodontal no sexo masculino

Texto completo
Autor(es):
João Paulo Steffens
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Araraquara. 122 f.
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Odontologia (Campus de Araraquara).
Data de defesa:
Membros da banca:
Estela Sasso Cerri; Hernandes Faustino de Carvalho; Francisco Humberto Nociti Junior; Giuseppe Alexandre Romito
Orientador: Luis Carlos Spolidorio
Resumo

A hipótese deste trabalho é que hormônios sexuais participam da etiopatogenia da doença periodontal (DP). Diferentes níveis de evidência científica testaram esta hipótese, avaliando: i. associação entre hormônios sexuais e DP em homens; ii. a influência de níveis sub- e suprafisiológicos de testosterona (T) sobre a DP em ratos; iii. se este mecanismo de ação envolve respostas de osteoblastos e osteoclastos in vitro. Dados do III NHANES relacionados com diagnóstico de DP e mensuração hormonal em homens com 30+ anos foram analisados para correlacionar estas duas variáveis. Em ratos, níveis subfisiológicos foram alcançados através da orquiectomia e níveis suprafisiológicos pelo tratamento com T. Metade dos animais em cada grupo foi submetida à DP utilizando–se modelo de ligadura. In vitro, células RAW264.7 foram diferenciadas em osteoclastos na presença de T (1nM-1μM) e identificados por TRAP. Cultura primária de osteoblastos murinos foi utilizada para avaliar a expressão de osteocalcina, RANKL e OPG na presença de T. Em homens, altos níveis de T biodisponível e baixa razão estradiol:T se correlacionaram significativamente com DP. Em idosos, baixos níveis de AAG, metabólito da dihidrotestosterona, também apresentaram correlação significativa. Em ratos, níveis sub- e suprafisiológicos de T aumentaram significativamente a perda óssea e modularam a expressão de citocinas inflamatórias. In vitro, doses fisiológicas de testosterona preveniram a osteoclastogênese e diminuíram a expressão de osteocalcina, RANKL e razão RANKL:OPG por osteoblastos. Concluiu-se que a T modula a resposta do hospedeiro à DP no sexo masculino, regulando a diferenciação de osteoclastos direta e indiretamente (via osteoblastos). (AU)

Processo FAPESP: 10/09658-0 - Efeito da redução dos níveis de testosterona na resposta imunoinflamatória associada à indução de doença periodontal e artrite reumatoide em ratos adultos orquiectomizados
Beneficiário:João Paulo Steffens
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado