Busca avançada
Ano de início
Entree

Marisa Dolhnikoff

CV Lattes ORCID


Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Estudos Avançados (IEA)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Graduação em Medicina na Universidade de São Paulo - FMUSP (1985), Residência Médica em Anatomia Patológica na FMUSP (1989), Doutorado em Medicina (Patologia) na Universidade de São Paulo (1993), Pós-Doutorado no Meakins-Christie Laboratories, McGill University, Montreal, Canadá (1995). Livre Docência pela FMUSP em 2007. Atualmente é Professora Associada da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Coordenadora dos Estudos da COVID-19 Grave por Autópsias no HC-FMUSP. Coordenadora do Programa Tutoria Acadêmica da FMUSP. Coordenadora da Disciplina de Graduação: Sistema Respiratório, da FMUSP. Patologista responsável pelas biópsias pulmonares de pacientes do complexo HC-FMUSP. Linhas de pesquisa nas áreas de Patologia Pulmonar, Patologia de Autópsia, Autópsia Minimamente Invasiva. Prêmio Mulheres na Ciência - Destaques 2020, da Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo. Publicações indexadas no Pubmed e Web of Science: 158 Índice H: 38 (Web of Science) Citações: 5.251 (Setembro/2022) Dolhnikoff M ou Dohlnikoff M (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 28/01/2023
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

Autópsias em mortos por COVID-19 podem contribuir para o tratamento de casos graves


Estreia em 6 de maio de 2020 - Agência FAPESP. Em entrevistas concedidas à Agência FAPESP, os pesquisadores Marisa Dolhnikoff e Paulo Saldiva, da Faculdade de Medicina da USP (FM-USP), explicam como autópsias estão revelando a agressividade da COVID-19 e contribuindo para o tratamento de casos graves da doença. Amostras de tecidos pulmonares e de outros órgãos são coletadas por meio de técnicas minimamente invasivas e com o consentimento das famílias. O objetivo do trabalho, parte de um projeto apoiado pela FAPESP, é disponibilizar informações à comunidade médica que possam ser úteis no combate à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Os efeitos da Covid-19 no corpo


Publicado em 8 de junho de 2020 - Pesquisa FAPESP. Quando entra no organismo humano, o vírus Sars-CoV-2 causa estragos profundos nos pulmões e em outros órgãos. A patologista Marisa Dolhnikoff e a pneumologista Elnara Negri, ambas da Universidade de São Paulo (USP), contam o que se tem aprendido com a doença enquanto a pandemia avança, como a autopsia pouco invasiva ajuda nessa investigação e como isso permite delinear estratégias de tratamento.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: