Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Contribuição dos arranjos domiciliares para o suprimento de demandas assistenciais dos idosos com comprometimento funcional em São Paulo, Brasil

Texto completo
Autor(es):
Duarte, Yeda Aparecida de Oliveira ; Lebrão, Maria Lúcia ; Lima, Fernão Dias de
Número total de Autores: 3
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Revista Panamericana de Salud Pública = Pan American Journal of Public Health; v. 17, n. 5/6, p. 370-378, maio/jun. 2005.
Área do conhecimento: Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Assunto(s):Saúde do idoso   Envelhecimento   Atividades cotidianas   Relações familiares
Resumo

Apresentar os resultados do Projeto Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento na América Latina e Caribe (SABE) no que tange ao desempenho funcional, às demandas assistenciais e aos arranjos familiares dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Em 2000, foram entrevistados 2 143 indivíduos com 60 anos ou mais, utilizando-se o questionário padronizado do SABE. A amostra foi obtida em dois estágios, utilizando-se setores censitários com reposição e com probabilidade proporcional à população. A complementação da amostra de pessoas de 75 anos ou mais foi realizada através da localização de moradias próximas aos setores selecionados. Os dados finais foram ponderados, de forma a serem expandidos. O desempenho funcional foi medido pela capacidade dos idosos de executar atividades básicas de vida diária (ABVD, atravessar um cômodo da casa, comer, deitar-se e levantar da cama, usar o vaso sanitário, vestir-se e despir-se e tomar banho) e atividades instrumentais de vida diária (AIVD, comprar e preparar alimentos, realizar tarefas domésticas leves e pesadas, ir a outros lugares sozinho, usar o telefone, tomar os próprios medicamentos e manejar dinheiro), sendo a limitação funcional (demanda assistencial) definida como a necessidade de ajuda para executar pelo menos uma dessas atividades. Os 66 tipos de arranjos domiciliares identificados foram agrupados em sete categorias, de acordo com a presença ou não de co-residentes e o grau de parentesco entre o idoso e os co-residentes. Dos entrevistados, 19,2% apresentaram limitações funcionais nas atividades básicas e 26,5% nas atividades instrumentais, sendo a maior proporção entre mulheres e na velhice avançada. A proporção de idosos com limitações que recebeu ajuda variou, nas atividades básicas, de 25,6% (para deitar-se e levantar da cama) a 70,5% (para comer), e nas instrumentais, de 79,7% (para a execução de tarefas domésticas leves) a 97,8% (para comprar alimentos). Quanto aos arranjos familiares, a maioria dos idosos morava com o cônjuge e os filhos ou apenas com os filhos (32,1%) ou somente com o cônjuge (20,0%). O arranjo domiciliar em que a maior proporção de idosos com limitação funcional recebia ajuda (56,4%) foi aquele no qual o idoso residia também com não-familiares. Os idosos com limitações funcionais não estão sendo assistidos suficientemente pela família ou co-residentes, e as políticas públicas não suprem esse déficit assistencial. Dado o acelerado processo de envelhecimento da população, o sistema de assistência corre o risco de se tornar não só insuficiente, mas caótico. (AU)

Processo FAPESP: 99/05125-7 - As condições de saúde dos idosos na América Latina e Caribe
Beneficiário:Ruy Laurenti
Linha de fomento: Auxílio à Pesquisa - Regular