Busca avançada
Ano de início
Entree

Sistema de produção intensivo de tilápia utilizando tanques-redes de grande volume - TRGV Fisher

Processo: 17/19966-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de agosto de 2018 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Convênio/Acordo: FINEP - PIPE/PAPPE Subvenção
Pesquisador responsável:Hélio de Sousa Barbosa
Beneficiário:Hélio de Sousa Barbosa
Empresa:Fisher Piscicultura Água Vermelha Ltda
Município: Riolândia
Pesq. associados: Celia Maria Doria Frasca Scorvo ; Claudio Angelo Agostinho ; João Donato Scorvo Filho
Assunto(s):Piscicultura  Tilápia  Tanques-rede  Alimentação animal 

Resumo

A Fisher desenvolveu entre 2011 a 2014, os projetos de engenharia a serem utilizados na UIP Água Vermelha, o licenciamento ambiental e o processo de obtenção da concessão para utilização da área aquícola. A empresa, em parceria com a FAPESP (PIPE I e PIPE II) também investiu em pesquisa e desenvolvimento do tanque-rede de grande volume (TRGV), o TRGV Fisher®. Ainda são poucos os empreendimentos no Brasil que utilizam TRGV (>100 m3), entretanto há uma tendência de utilização desse tipo de equipamento, com intuito de aumentar a escala de produção e diminuir os custos de investimento por metro cúbico. Se desenvolvido o know-how necessário para produção de máquinas e equipamentos mais sofisticados e com novas tecnologias, o Brasil poderá ser destaque no cenário mundial na produção de pescado. O TRGV Fisher® foi concebido após anos de experiência adquirida em uma piscicultura tradicional com 1.100 tanques de 18 m3 e, operava com 60 funcionários, dispersos em uma área de 10 ha com produção de 300 toneladas mês. A partir das dificuldades para gerenciamento, manejo e acompanhamento eficaz, o projeto do TRGV Fisher focou na racionalização, mecanização e automação dos principais passos na rotina de uma piscicultura. Um protótipo foi construído e testado pela Fisher, em parceira com equipe de pesquisadores da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios de São Paulo, liderados pelo Dr. João Donato Scorvo Filho. Os testes foram financiados parte com recursos do PIPE I da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e foram bem sucedidos e concluídos em outubro de 2015.O objetivo do projeto foi avaliar o funcionamento de três TRGV, com 450 m3 de volume útil cada, em estrutura de alumínio, desenvolvido pela Fisher Piscicultura Água Vermelha, que tem o diferencial de possuir tecnologia especifica, facilitando os manejos de classificação, retirada de peixes mortos, autolimpeza de telas e despesca. Para avaliar a funcionalidade dos dispositivos móveis frente às condições reais de produção um tanque foi povoado com 20.289 juvenis, com peso médio de 41,15 g, na densidade de 45 juvenis por m3. O povoamento dos outros dois TRGV foi feito após a classificação dos peixes. As atividades com os TRGV foram desenvolvidas no período de 14 de agosto de 2014 a 18 de agosto de 2015. Sendo que o teste com juvenis em maior escala foi realizado no período de 05 de março de 2015 a 18 de agosto de 2015, nos três TRGV, concomitantemente. Em um segundo momento, o protótipo recebeu a implementação de um dispersador automático de ração, o que levou a Fisher a realizar um piloto com densidades de povoamento de 50.000 juvenis e 60.000 juvenis, onde foram observados resultados distintos do primeiro teste, quanto ao crescimento e comportamento dos peixes durante a classificação, porém outros fatores, como estação do ano e maior frequência alimentar, não permitiram comparações com os resultados do primeiro ensaio.Com aplicação do princípio de otimização de espaço e da melhor biomassa econômica, há a necessidade de testar densidades maiores visando à adequação de manejo e capacidade de suporte. Assim, o objetivo do PIPE II está sendo avaliar três densidades de estocagem (60.000; 80.000 e 100.000 juvenis de tilápia por TRGV), em dois ciclos de produção (verão e inverno) utilizando-se os TRGV com 450 m3, contendo novo componente, o dispersador de ração automático um equipamento inovador. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.