Busca avançada
Ano de início
Entree

A memória como desafio historiográfico: a coleção Taunay entre hypomenatas e palimpsestos

Processo: 19/02230-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2019 - 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Wilma Peres Costa
Beneficiário:Wilma Peres Costa
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):Historiografia  Pensamento social  Biografias  Escrita de si 

Resumo

O trabalho proposto envolve a transcrição e análise de um grande conjunto de fontes manuscritas relacionadas a Alfredo Taunay (Visconde de Taunay) (1843-1889) pertencentes à Coleção Taunay do Museu Paulista. As fontes foram, em sua maioria, digitalizadas por mim, restando ainda alguns fundos a serem consultados, tanto no Museu Paulista, como no Arquivo Nacional do Rio de Janeiro e no Museu Imperial de Petrópolis. O potencial da Coleção Taunay será explorado não apenas na riqueza do repertório de fontes que representa, mas também pelo desafio historiográfico que ali se cristaliza.. Dela consta um vasto material referente ao historiador Affonso d' Escragnolle Taunay (filho de Alfredo, o Visconde de Taunay), a "alma" por trás da coleção, testemunho de seu esforço e estratégia para construir a memória paterna e preservar e defender seu legado simbólico e material. Testemunham também suas pesquisas para a construção da memória familiar na longa duração, pois recobrem não apenas as quatro gerações da família Taunay que vivenciaram a vida brasileira no século XIX, mas também os seus antepassados franceses e as conexões coevas entre os membros franceses e brasileiros que permitiram ao historiador Affonso Taunay construir uma base documental para a história da família desde o período medieval. Mais do que tudo, a Coleção é testemunha do trabalho ingente desse historiador na conservação da memória familiar, na preservação, certificação e "construção" mesmo dos documentos. Ele é onipresente com seu lápis e suas múltiplas anotações, indicando a quem pertence cada documento, a que obra ele se refere, de onde foi copiado, e um resultado de seu compulsivo trabalho de transcrição. Essa "marginalia" de Affonso Taunay foi se tornando um tema de investigação incontornável, pois ela fornece sobejas evidências da rede de sociabilidade da família nos dois mundos, como também da operosa ação do historiador Afonso Taunay em elaborar um sentido para a "saga" familiar, fazendo dela uma verdadeira metáfora da construção da nacionalidade. Sua mão, seu lápis, sua correspondência em busca de evidências, fazendo copiar documentos e divulgando-os estão por toda parte, guiando e desafiando o pesquisador pelo que essas ações sobre a própria coleção revelam e reinventam (AU)